Cidades inteligentes vão melhorar a vida das pessoas

Business IntelligenceData StorageHOME

Outra inovação que tem potencial para se concretizar no futuro, de acordo com o estudo da IBM 5 in 5, é a forma como nos relacionamos com as cidades. Hoje, o ser humano precisa se adaptar às cidades. E isso significa tudo o que há de melhor e pior nas metrópoles. O que a IBM

Outra inovação que tem potencial para se concretizar no futuro, de acordo com o estudo da IBM 5 in 5, é a forma como nos relacionamos com as cidades.

5in5 cidade

Hoje, o ser humano precisa se adaptar às cidades. E isso significa tudo o que há de melhor e pior nas metrópoles. O que a IBM propõe é aplicar múltiplas camadas de inteligência para mudar essa realidade.

Hoje, o planejamento urbano tem uma velocidade de resposta muito mais lenta do que a ideal. Isso é, em parte, resultado dos processos burocráticos tradicionais, que limitam o acesso dos gestores à informação em tempo real.

Com a maioria da população mundial vivendo em metrópoles, é vital que a maneira como as cidades são geridas seja modernizada. O primeiro passo para isso é o engajamento do cidadão. Com plataformas sociais colaborativas, os moradores da cidade poderão indicar ruas e equipamentos públicos que precisam de reparos, para que o governo possa aplicar melhor os impostos arrecadados.

Smartphones e tablets serão um meio importante de cidadania, servindo para acessar serviços públicos, propor melhorias urbanas e dando voz para que as pessoas interajam com os governantes, não só antes das eleições.

Mais inteligentes, as cidades vão entender, em tempo real, como ocorrem bilhões de eventos ao passo que computadores vão aprender a entender o que as pessoas precisam, o que gostam, o que fazem e como se movem de um lugar para outro. Problemas com trânsito e enchentes poderão ser previstos e rapidamente amenizados, com o aumento de ônibus para determinada região ou o acionamento mais ágil da Defesa Civil para áreas de risco.

Toda essa informação será analisada e daí contextualizada, aumentando a inteligência das cidades e a familiaridade com seus moradores.

Com o tempo, as pessoas compartilharão suas informação com a cidade de forma voluntária, em um exercício de cidadania que privilegia o coletivo. E os jovens serão os primeiros a iniciar esse movimento, pela própria dinâmica que os relacionamentos digitais já têm em suas vidas.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor