Google pode começar a fabricar chips próprios

EscritórioHOME

Com a crescente necessidade de data centers, que são a espinha dorsal dos produtos e serviços baseados na web do Google, a demanda por mais infraestrutura pode estar levando o gigante a desenvolver do zero seus próprios servidores. A informação partiu da Bloomberg, que noticiou a possibilidade de que a empresa de Mountain View esteja

Com a crescente necessidade de data centers, que são a espinha dorsal dos produtos e serviços baseados na web do Google, a demanda por mais infraestrutura pode estar levando o gigante a desenvolver do zero seus próprios servidores.

wafer de silício

A informação partiu da Bloomberg, que noticiou a possibilidade de que a empresa de Mountain View esteja em estágios avançados de desenvolvimento de seus próprios processadores, baseados na arquitetura ARM.

Exceto pelos processadores, o Google já fabrica os próprios equipamentos, da estrutura básica ao sistema de refrigeração customizado. Hoje, os servidores rodam com processadores x86 da Intel, que são maioria no mercado. Com o desenvolvimento próprio, será possível customizar o processador de acordo com suas necessidades.

Como a plataforma ARM é bastante flexível, é possível criar um processador escalável de baixíssimo consumo de energia, com funcionamento orientado a buscas e serviços em cloud computing.

Tanto Apple quanto Samsung seguiram pelo mesmo caminho em seus dispositivos portáteis, licenciando a tecnologia da ARM para criação de chips próprios. O caminho do Google é natural, pois os custos de desenvolvimento de um processador do zero são proibitivos, e o expertise conseguido com o Android – que roda quase que unicamente em ARM – qualifica a empresa a criar um sistema operacional ultra eficiente para utilizar a plataforma.

A Intel pode sair bastante prejudicada caso o movimento do Google se confirme. O gigante é o quinto maior  cliente da Intel, respondendo por 4,3% de seu faturamento. Se o Google decidir vender seus servidores para outras empresas, a Intel poderá sentir um golpe ainda maior.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor