Leilão de 4G pode ter participação de estrangeiras

4GHOMEMobilidadeNegócios

O próximo leilão público de espectro, que prevê a comercialização da faixa dos 700 megahertz (MHz), podem atrair teles estrangeiras, em parte pelo menor custo entre ligações de diferentes operadoras, o que viabilizaria a entrada de novos players no mercado. A afirmação foi dada por João Rezende, presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), ao jornal

O próximo leilão público de espectro, que prevê a comercialização da faixa dos 700 megahertz (MHz), podem atrair teles estrangeiras, em parte pelo menor custo entre ligações de diferentes operadoras, o que viabilizaria a entrada de novos players no mercado.

4g LTE2

A afirmação foi dada por João Rezende, presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), ao jornal O Estado de São Paulo. De acordo com Rezende, operadoras que ainda não tem atuação no Brasil podem mostrar interesse caso algum dos quatro lotes não sejam arrematados no leilão previsto para o próximo semestre.

Caso um novo player internacional entre no mercado, TIM, Claro, Oi e Vivo podem correr o risco de ficar e fora da nova faixa e disputar espaço no mercado com competidores de peso. Segundo apuração do jornal, fontes do governo afirmaram a norte americana AT&T e a britânica Vodafone podem estar interessadas na aquisição dos lotes.

Para o presidente da Anatel, o maior impedimento para a entrada de uma nova operadora no Brasil era a alta taxa de interconexão paga pelas empresas em ligações para aparelhos de operadoras concorrentes. Com o amadurecimento do mercado, esse empecilho pode ser contornado.

Em 2011, a taxa de interconexão era de R$ 0,48 por minuto, mas, caiu para R$ 0,16 este ano e deve chegar a R$ 0,10 em 2016. A partir daí, a tarifa será definida por modelo de custos.

Dependendo da estratégia adotada, uma nova operadora poderia balançar o mercado, pois a qualidade dos serviços, especialmente de quarta geração, será crucial para a conquista de share na Copa do Mundo e Olimpíada, períodos que a demanda por conexões de alta velocidade será recorde.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor