Microsoft cria centro de estudos em parceria com a USP

HOME

A Microsoft firmou acordo com a Universidade de São Paulo (USP) para criação de um Centro de Estudos de Tecnologia e Sociedade. É a primeira vez que a empresa de Redmond faz um investimento do tipo na América Latina. O objetivo estimular a pesquisa local sobre temas na área de tecnologia e com impacto na

A Microsoft firmou acordo com a Universidade de São Paulo (USP) para criação de um Centro de Estudos de Tecnologia e Sociedade. É a primeira vez que a empresa de Redmond faz um investimento do tipo na América Latina. O objetivo estimular a pesquisa local sobre temas na área de tecnologia e com impacto na sociedade.

microsoft-logo-640x480

A Microsoft afirmou, em nota, que o dinheiro será destinado à gestão do centro, que ficará totalmente à cargo da USP. A companhia não fará nenhuma interferência em metodologias e conclusões das pesquisas realizadas.

A USP é a universidade mais influente do país, líder no ranking da Folha de 2012 e a décima primeira colocada em um levantamento com as 100 instituições de ensino superior mais importantes nos mercados emergentes.

O centro envolverá áreas como tecnologia da informação (TI), ciências da computação, direito e economia. A iniciativa pretende produzir estudos sobre temas como o impacto da computação em nuvem nas pequenas e médias empresas, a proteção da propriedade intelectual no segmento de software, a privacidade e a proteção de dados no ambiente digital. As atividades presenciais poderão ser desenvolvidas em diferentes espaços físicos, já existentes na USP.

A ideia é que o espaço do Centro de Estudos seja multiuso, para que receba eventos internacionais, de modo a fortalecer o intercâmbio de conhecimento entre acadêmicos de diversos países, principalmente do México e da Índia, considerada um importante polo de desenvolvimento de softwares.

A companhia financiou iniciativas similares na China, com a Universidade de Tsinghua, onde foi investido US$ 1 milhão e nos Estados Unidos, com a Universidade de Washington, onde foi aplicado US$ 1,7 milhão.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor