Parques tecnológicos e incubadoras com direito a 21 milhões

Negócios

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) irá repassar, ainda este ano,  R$ 21 milhões às agências de fomento da pasta – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) – para aumentar o investimento em parques tecnológicos e incubadoras de empresas. De acordo com o secretário

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) irá repassar, ainda este ano,  R$ 21 milhões às agências de fomento da pasta – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) – para aumentar o investimento em parques tecnológicos e incubadoras de empresas.

ti

De acordo com o secretário de Desenvolvimento Tecnológico do MCTI, Alvaro Prata, com isso, o aporte em ambientes de inovação chegará a aproximadamente R$ 1 bilhão, considerando o período de 2002 a 2012, quando o investimento totalizou R$ 335,4 milhões.

“Somente em 2013, aplicamos cerca de R$ 672 milhões. Esperamos dar continuidade aos investimentos e estimular o desenvolvimento e implementação de novos ambientes inovadores”, afirmou Prata, nesta quarta-feira (11), na abertura da 8ª Reunião do Conselho Consultivo do Programa Nacional de Apoio às Incubadoras de Empresas e aos Parques Tecnológicos (PNI).

Editais

Os recursos aplicados neste ano foram distribuídos por meio do edital n 61/2013, do CNPq, e da chamada públicada Finep voltada a parques tecnológicos em operação e em estágio de implantação. Segundo o secretário, eles geraram uma “demanda reprimida” de R$ 450 milhões em parques tecnológicos e R$ 13 milhões em incubadoras de empresas.

Para o coordenador geral de Serviços Tecnológicos do MCTI, Jorge Campagnolo, os “bons resultados” de 2013 geram desafios para a consolidação do PNI no próximo ano. “Temos que construir novas maneiras de financiar esse público de forma permanente e definir outras estratégias para que os editais alcancem mais parques tecnológicos e incubadoras”.

Prata e Campagnolo também ressaltaram a importância de fazer investimentos em ambientes de inovação. O estudo Projetos de Alta Complexidade – Indicadores de Parques Tecnológicos, desenvolvido pelo MCTI em parceria com a Universidade de Brasília (UnB), aponta que, para cada R$ 1 investido pelo governo federal, os parques tecnológicos obtêm R$ 3,64 de outras fontes, sendo R$ 1,95 de governos estaduais e municipais e R$ 1,69 da iniciativa privada.

No Brasil, existem 89 parques tecnológicos que abrigam 939 empresas e geram 32.237 empregos. A região Sul abriga 43% desses ambientes, seguida das regiões Sudeste (41%), Nordeste (7%), Norte (5%) e Centro-Oeste (4%).

Destinação de recursos

A Finep receberá R$ 20 milhões do aporte adicional. A maior parte destina-se à chamada pública em curso devido à demanda gerada pelos 88 projetos apresentados. O recurso permitirá contratar três projetos a mais do que o previsto, totalizando 16.

O CNPq terá R$ 1 milhão a mais. O edital recebeu 94 propostas, que geraram uma demanda de R$ 69,3 milhões.

A chamada foi dividida em três partes. A Linha A, de apoio à infraestrutura de incubadoras de empresas em estágio de operação, selecionou 31 dos 69 projetos recebidos. A Linha B, para financiar a elaboração de Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica (Evte) para incubadoras de empresas, aprovou as oito propostas apresentadas. A Linha C recebeu 17 e selecionou dez, para parques tecnológicos interessados em desenvolver o Evte.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor