Fusões poderão requerer venda de espectro de operadoras

Negócios

Um acordo que reduz o número de operadoras nacionais de telefonia móvel dos Estados Unidos de quatro para três pode preocupar reguladores e exigir que as partes envolvidas em uma fusão vendam espectros, de acordo com o presidente-executivo da Verizon Communications, Lowell McAdam. McAdam respondia assim a uma pergunta sobre a possibilidade de tal acordo

Um acordo que reduz o número de operadoras nacionais de telefonia móvel dos Estados Unidos de quatro para três pode preocupar reguladores e exigir que as partes envolvidas em uma fusão vendam espectros, de acordo com o presidente-executivo da Verizon Communications, Lowell McAdam.

Verizon Communications CEO Lowell McAdam

McAdam respondia assim a uma pergunta sobre a possibilidade de tal acordo ser aprovado, durante uma conferência com investidores nesta terça-feira, após notícias de que a Sprint Corp, terceira maior operadora dos EUA, estaria avaliando a possibilidade de comprar a rival T-Mobile US, quarta maior do mercado.

O executivo disse não ter qualquer conhecimento sobre o pensamento dos reguladores norte-americanos, mas afirmou que uma escalada na competição poderia ser o resultado para o qual o governo estava olhando quando bloqueou a compra da T-Mobile pela AT&T, em 2011.

“Eu acho que eles (reguladores) começaram a ver algumas coisas que queriam ver a partir de quatro competidores … então penso que eles vão querer jogar com essa mão”, disse durante uma conferência com investidores em Las Vegas.

McAdam sugeriu que os reguladores só aprovariam qualquer acordo entre a Sprint e a T-Mobile se as empresas envolvidas concordassem em vender muitos de seus espectros como condição para aprovação do negócio.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor