Brasil é vice-campeão em ataque a dados bancários

EmpresasNegócios

De acordo com o relatório realizado pela Trend Micro, “Cashing in on Digital Information”, o Brasil foi o segundo país que mais sofreu roubos de informação bancária no ano passado. A liderar a lista ficam os Estados Unidos. O País esteve colocado em segunda posição durante o primeiro trimestre de 2013, mas caiu para o terceiro lugar

De acordo com o relatório realizado pela Trend Micro, “Cashing in on Digital Information”, o Brasil foi o segundo país que mais sofreu roubos de informação bancária no ano passado. A liderar a lista ficam os Estados Unidos.

COMPUTER KEYBOARD HANDO País esteve colocado em segunda posição durante o primeiro trimestre de 2013, mas caiu para o terceiro lugar no último trimestre do ano, ultrapassado pelo Japão.

Raimund Genes, CTO da Trend Micro explicou dizendo que “O ano passado englobou significativas falhas de segurança, aumento de malware e ameaças a dispositivos móveis que impactaram pessoas de todo tipo, em todo o mundo. Agora, mais do que nunca, tanto os consumidores quanto as empresas devem, da mesma forma, serem diligentes em compreender suas vulnerabilidades, e o que deve, a partir de uma perspectiva de segurança, ser feito para melhor proteger dados pessoais e oferecer melhores defesas relacionadas ao comprometimento da privacidade. Enquanto este relatório detalha o cenário de ameaças de 2013, ele mais importantemente explica como essas ameaças continuarão a evoluir e o que deve ser feito para atenuar seus impactos negativos.”

No Brasil, foi observado um aumento no uso de arquivos .CPL e itens de Controle de Painel maliciosos que estavam embutidos em anexos de spam do tipo .RTF.

Houve também um aumento considerável nas ameaças a dispositivos móveis. Foram identificados cerca de 1,4 milhão de aplicativos maliciosos e de alto risco para Android, incluindo apps disponíveis para download no Google Play.

A Apple também não fico a salvo. Conforme comprovaram os pesquisadores, a App Store também é vulnerável quanto à entrega de malware.

Além dos apps, as ameaças como phishing continuaram a estar presentes nos dispositivos móveis. Em 2013, o número total de sites de phishing móveis aumentou em 38 por cento a partir de 2012.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor