Lenovo investe em dispositivos móveis para aumentar lucro

MobilidadeNegóciosSmartphones

A chinesa Lenovo comunicou que os rendimentos do terceiro trimestre sofreram um aumento de quase um terço, ultrapassando as estimativas, numa altura em que a maior fabricante de computadores pessoais do mundo aumenta as vendas de smartphones numa tentativa de sair do mercado moribundo dos PC. A gigante tecnológica anunciou hoje um aumento no rendimento

A chinesa Lenovo comunicou que os rendimentos do terceiro trimestre sofreram um aumento de quase um terço, ultrapassando as estimativas, numa altura em que a maior fabricante de computadores pessoais do mundo aumenta as vendas de smartphones numa tentativa de sair do mercado moribundo dos PC.

Lenovo-dispositivos-moveis-e1392290282350

A gigante tecnológica anunciou hoje um aumento no rendimento líquido de 29 por cento, chegando aos 265,3 milhões para o trimestre de outubro a dezembro. Isto foi antes de ter concordado em gastar 5,2 mil milhões em smartphones e servidores em duas aquisições realizadas em janeiro, algo que o CEO Yang Yuanqing diz vir a ser um peso nas finanças da empresa.

Ambos os negócios comprados pela Lenovo estão a perder dinheiro, e Yang diz que, a curto-prazo, vão ter um impacto negativo na performance da empresa. A Lenovo explicou que o mais provável é que a empresa leve entre três a cinco trimestres para conseguir recuperar o negócio dos telemóveis Motorola que comprou à Google por 2,9 mil milhões de dólares.

A Lenovo tem apostado grandemente em smartphones e servidores de forma a compensar o declínio global do setor dos computadores pessoais, no seguimento do registo de uma migração para os dispositivos móveis.

O lucro líquido para o quarto trimestre do ano passado atingiu valores acima dos 204,9 milhões de dólares.

Contudo, os analistas adivinham tempos difíceis, alegando que possivelmente só ao fim de um ano é que a empresa poderá mudar o rumo das suas aquisições. Empresas com uma presença extremamente forte no mercado global dos smartphones, como a Samsung e a Apple, constituem uma competição titânica, enquanto a Lenovo procura construir bases sólidas nesse mesmo setor.

Analista na JI Asia, Jean-Louis Lafayeedney diz que espera um abrandamento nos negócios subjacentes da empresa. Reforça ainda que será preciso pelo menos um ano para que a Lenovo consiga recuperar o crescimento.

A velocidade e dimensão das suas compras, que custaram quase metade do valor de mercado da Lenovo e parcialmente pagas pela emissão de novas ações, preocupou alguns investidores. As ações da Lenovo sofreram uma queda de 6,04 por cento desde o começo do ano.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor