Tim usará femtocélulas da Alcatel-Lucent

HOMEMobilidadeNegóciosOperadorasRedes

A empresa de telecom e a Alcatel-Lucent (ALU) anunciaram durante o Mobile World Congress 201 o início da implantação de femtocélulas (pequenas estações radiobase, de baixa potência) integradas à rede 3G da operadora. Com três anos de duração, o acordo é parte da iniciativa da Tim de implementar redes heterogêneas (HetNet), que inclui macrocélulas, microcélulas,

Especial BR

A empresa de telecom e a Alcatel-Lucent (ALU) anunciaram durante o Mobile World Congress 201 o início da implantação de femtocélulas (pequenas estações radiobase, de baixa potência) integradas à rede 3G da operadora.

femtocell

Com três anos de duração, o acordo é parte da iniciativa da Tim de implementar redes heterogêneas (HetNet), que inclui macrocélulas, microcélulas, picocélulas, femtocélulas e Wi-Fi. “Cremos que o tráfego de dados vai se multiplicar 2,5 vezes em 2014. É um crescimento muito grande e para sustentar isso só com uma arquitetura HetNet”, explicou o diretor de redes móveis da TIM, Marco Di Costanzo.

Os equipamentos 3G terão 1W de potência e terão isenção fiscal do Fistel. A Tim instalará os equipamentos portáteis exclusivamente em clientes empresariais. “Essa primeira fase é indoor com clientes corporativos para offload e também para ampliar a cobertura 3G em áreas de sombra ou subsolos, por exemplo. Entre 70% e 80% das chamadas hoje se fazem em ambientes indoor”, afirma Costanzo.

Os equipamentos são especialmente atraentes para a operadora pois fáceis de instalar, plug-and-play e ganharam desoneração por parte do governo, o que viabiliza a operação em larga escala.

Segundo a Alcatel-Lucent, serão utilizados três modelos de equipamento: Enterprise Cell 9362, Homecell 9361 e Metrocell Outdoor 9364 (para até oito, até 16, ou até 32 chamadas simultâneas de voz ou dados) – que utilizarão a banda larga do cliente e serão gerenciadas por gateways que podem conectar até dez mil femtocells. Caso seja instalada o modelo outdoor, a operadora utilizará o próprio backhaul para conectar a antena.

Em um primeiro momento, serão utilizadas apenas femtocélulas 3G. A migração para 4G só acontecerá quando o tráfego justificar o incremento no investimento. Costanzo se adiantou e afirmou que os clientes da operadora não serão onerados pelo uso dos equipamentos. “O equipamento é da Tim, como os da (rede) macro. Não cobraremos a mais por isso”, afirmou o executivo. Ele ainda ressalta que as femto não substituem a necessidade das estações radiobase convencionais que compõem a rede macro da operadora.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor