Trabalhadores de greve em SP na próxima sexta

EmpresasNegócios

Por unanimidade, os trabalhadores de TI do estado de São Paulo que participaram da assembleia realizada hoje, sábado, pelo Sindpd decidiram decretar greve. “É chegada a hora, efetivamente, de a categoria mostrar para o patrão o papel importante que exerce dentro das empresas. Os empregados são os verdadeiros responsáveis pelo lucro e crescimento das companhias.

Por unanimidade, os trabalhadores de TI do estado de São Paulo que participaram da assembleia realizada hoje, sábado, pelo Sindpd decidiram decretar greve. “É chegada a hora, efetivamente, de a categoria mostrar para o patrão o papel importante que exerce dentro das empresas. Os empregados são os verdadeiros responsáveis pelo lucro e crescimento das companhias. Contra o patrão a arma mais legitima dos trabalhadores é cruzar seus braços”, falou o presidente do Sindpd, Antonio Neto.

shutterstock_58418101

Segundo um comunicado disponível no site do sindicado, e de acordo com a lei de greve, aquela entidade deve publicar um anúncio em jornal de grande circulação, para informar as empresas tomadoras e prestadoras de serviços de TI. Após 72 horas da publicação, os trabalhadores poderão dar início às paralisações, que podem ser pontuais ou generalizadas. Ainda de acordo com a lei “é vedada a rescisão de contrato de trabalho durante a greve, bem como a contratação de trabalhadores substitutos”.

“A lei é clara quando diz que a partir do momento da deflagração da greve e da comunicação nenhum trabalhador pode ser demitido, sofrer coerção ou ser proibido de fazer a greve. Estamos fazendo tudo juridicamente correto, previsto na lei de greve. A categoria está unida para dar um basta nesses patrões. Os trabalhadores de TI precisam de mais respeito, dignidade e valorização profissional”, alertou Neto.

A negociação salarial deste ano foi paralisada no dia 31 janeiro depois de quatro rodadas de debates entre o sindicato patronal e o Sindpd. Após a paralisação o sindicato patronal pediu uma nova reunião, mas, infelizmente, as propostas não avançaram o que acabou travando o andamento do acordo coletivo deste ano.

Nas últimas semanas o Sindpd realizou várias ações para esclarecer a situação aos trabalhadores da categoria, lê-se no comunicado. Uma enquete foi feita para saber a opinião dos profissionais de TI sobre a greve, e 84% se mostraram a favor. Além disso, o sindicato enviou newsletters e SMS para os quase 50 mil sócios do sindicato, convocando todos para a assembleia de hoje. “Nos dias 13 de 14 de fevereiro também foram realizadas panfletagens na porta das maiores empresas da base, como a Prodesp, Prodam, Tivit, ADP, Softtek, CPM Braxis Capgemini, Sonda, TOTVS, T-System, HP e Indra.”

Indo de encontro com todas as propostas feitas pelo sindicato patronal, o setor vem crescendo a taxas robustas, e as consultorias mostram que o crescimento é superior ao PIB (Produto Interno Bruto). Em recente entrevista para o Jornal Hoje, da Rede Globo, a Brasscom, fez uma previsão de crescimento de 8 a 10%.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor