Policiais serão treinados contra cibercrime para a Copa

CyberwarHOMESegurança

Atenta à escalada dos crimes cibernéticos e o potencial risco durante a Copa do Mundo e a Olimpíada que se aproxima, a Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos (Sesge) do Ministério da Justiça promoverá cursos de capacitação para os policiais que agem na área de inteligência. Em pesquisa realizada pela norte-americana Norton, especializada em

Atenta à escalada dos crimes cibernéticos e o potencial risco durante a Copa do Mundo e a Olimpíada que se aproxima, a Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos (Sesge) do Ministério da Justiça promoverá cursos de capacitação para os policiais que agem na área de inteligência.

arena copa 3

Em pesquisa realizada pela norte-americana Norton, especializada em segurança, o Brasil ocupava em 2011 o quarto lugar, em uma lista de 24 países, com maior quantidade de crimes cibernéticos aplicados. Somente as redes do Governo Federal recebem, de acordo com a Polícia Federal, mais de 2 mil ataques por hora. Além disso, mais de 80% dos usuários da internet já foram vítimas desse tipo de crime. A cada 11 dias, uma nova vítima de crime cibernético é registrada no país. De acordo com a secretaria para grandes eventos, Calcula-se que, anualmente, o prejuízo chegue a R$ 15 bilhões.

De acordo com o diretor de Projetos Especiais da secretaria, William Marcel, responsável pela organização do curso, “essa é uma das maiores preocupações da secretaria em relação à Copa, pois a imprensa de todo o mundo vai estar aqui e não podemos permitir ataques aos nossos sistemas de comunicações. Por isso, profissionais da área de inteligência que vão atuar no evento estão sendo capacitados para enfrentar esse tipo de crime”.

Marcel explica que a melhor maneira de lidar com o problema é a prevenção. Para isso, as ações preventivas utilizarão “tecnologias bastante avançadas, a partir do monitoramento de redes paralelamente à ação da Polícia Judiciária para identificar e prender os criminosos”.

Os cursos são ministrados na Escola de Administração Fazendária. No currículo, há matérias como inteligência e investigação de crimes cibernéticos, aspectos legais dos crimes cibernéticos, noções de análise e monitoramento de redes sociais e medidas de inteligência para o combate à intolerância esportiva.

“O Curso de Inteligência e Investigação de Crimes Cibernéticos visa a capacitar profissionais da área de segurança pública na análise e produção de conhecimento a partir de dados e informações que circulam no ambiente cibernético, possibilitando mitigar vulnerabilidades que ameaçam a segurança das instituições de Estado e dos próprios eventos programados, bem como para identificar e enfrentar a criminalidade praticada na rede mundial de computadores?, disse o diretor de inteligência da Sesge, Rodrigo Morais Fernandes. O curso tem a participação de profissionais das polícias Militar e Civil e das secretarias de Segurança Pública dos estados do Rio de Janeiro, de São Paulo, do Paraná e Rio Grande do Sul. Participam, também, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Força Nacional de Segurança.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor