Xiaomi entra no mercado dos tablets e tem a Apple como alvo

MobilidadeSmartphones

A Apple tem mais um concorrente no mercado dos tablets. A Xiaomi, fabricante chinês de smartphones low cost, anunciou o seu primeiro tablet, que estará disponível em seis cores e terá um ecrã de 7,9” (o mesmo do iPad Mini). Com esta expansão do seu portfolio, a Xiaomi faz pontaria aos líderes Apple e Samsung,

A Apple tem mais um concorrente no mercado dos tablets. A Xiaomi, fabricante chinês de smartphones low cost, anunciou o seu primeiro tablet, que estará disponível em seis cores e terá um ecrã de 7,9” (o mesmo do iPad Mini). Com esta expansão do seu portfolio, a Xiaomi faz pontaria aos líderes Apple e Samsung, embora tenha sido a empresa da ‘maçã’ que os responsáveis chineses mais referiram na apresentação do novo tablet.

Xiaomi-MiPad

Denominado MiPad, o tablet da Xiaomi terá uma câmara traseira de 8MP e uma dianteira de 5MP, processador Nvidia Tegra K1 a 2.2GHz, 16 ou 64GB de memória, chassis de plástico, sistema operativo Android e um preço de 240 dólares (tornando-o mais acessível do que o iPad Mini e o Samsung Galaxy Tab).

No evento de apresentação do dispositivo em Pequim, os responsáveis da Xiaomi não estiveram com meias palavras e adiantaram que o objetivo era que o hardware se assemelhasse ou superasse o do iPad. Refira-se que os smartphones da Xiaomi que mais vendem no gigantesco mercado chinês já apresentam várias semelhanças com o iPhone.

Ainda falta saber muita coisa sobre o MiPad – como, por exemplo, data de lançamento, ou se será vendido fora da China –, embora tenha sido revelado que uma versão inicial do tablet estará disponível para testes a partir de meio do mês de Junho.

Para quem não está muito familiarizado com a Xiaomi, há que reter a informação de que a companhia se tornou o sexto maior fabricante mundial de smartphones no 1º trimestre deste ano, segundo dados da Canalys, fruto do sucesso obtido no território chinês (o maior mercado mundial de smartphones). Este ano, a Xiaomi deverá vender 40 milhões de celulares, um número que é particularmente impressionante se atentarmos que vendeu 18,7 milhões no ano passado e 7,2 milhões no ano anterior.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor