Comunicação celular M2M impulsionará mercado até 2019

4GHOMEM2MMobilidadeRedes

O estudo Mobility Report, feito pela Ericsson, apontou que o número de dispositivos celulares M2M (machine to machine) ativos vai aumentar entre 3 e 4 vezes até 2019, a partir dos 200 milhões existentes no final de 2013. Mesmo a maioria dos dispositivos celulares M2M ainda operarem em GSM (2G), espera-se que isso mude até

O estudo Mobility Report, feito pela Ericsson, apontou que o número de dispositivos celulares M2M (machine to machine) ativos vai aumentar entre 3 e 4 vezes até 2019, a partir dos 200 milhões existentes no final de 2013.

m2m_2

Mesmo a maioria dos dispositivos celulares M2M ainda operarem em GSM (2G), espera-se que isso mude até 2016, quando o 3G/4G irá representar a maioria das assinaturas celulares M2M ativas.

André Gildin, diretor de Inteligência de Mercado da Ericsson para América Latina, diz: “Temos percebido a decolagem dos dispositivos celulares M2M. Ao longo do tempo, os serviços e aplicações celulares M2M relacionados com, por exemplo, sistemas de transporte inteligente irão exigir latência muito curta para serem eficientes. Em 2019, estima-se que mais de 20% dos dispositivos M2M ativos estejam conectados a assinaturas LTE. Vemos também novas aplicações M2M e de dispositivo para dispositivo como foco principal das redes 5G”.

No próximo ano, o número total de assinaturas móveis irá ultrapassar a população mundial. As assinaturas móveis crescem 7% ano após ano, com 120 milhões de adições líquidas apenas no primeiro trimestre. As assinaturas de banda larga móvel também continuam a crescer e podem chegar a 7,6 bilhões até o final de 2019, representando mais de 80% do total das assinaturas móveis.

Em 2016, a expectativa é que o número de assinaturas de smartphones será superior ao de telefones básicos, e em 2019, o número pode alcançar 5,6 bilhões. Na Europa, o número de assinaturas de smartphones irá atingir cerca de 765 milhões em 2019 e, assim, ultrapassar a população. 65% de todos os celulares vendidos no 1º trimestre de 2014 foram smartphones.

Em comparação com os dias de hoje, um usuário de 2019 deverá consumir quase quatro vezes a quantidade de dados móveis utilizados atualmente por mês. Isso contribui para a previsão de crescimento de 10 vezes no tráfego de dados móveis entre 2013 e 2019.

Gildin diz: “O crescimento e a evolução no M2M e o crescimento de 10 vezes do tráfego de dados móveis fortalecem a ênfase no desempenho da rede, administrando a complexidade e maximizando a experiência do usuário. Isso, por sua vez, impõe exigências ainda maiores entre as redes e as operações e sistemas de apoio às empresas do futuro”.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor