Ferramenta alemã ajuda a descobrir se usuário teve dados roubados

Big DataCyberwarData StorageFornecedores de SoftwareHOMEProjetosSegurança

Um serviço gratuito do Hasso Plattner Institute para a engenharia de sistemas de TI na Universidade de Potsdam, permite que os usuários descubram se suas informações pessoais foram disponibilizadas online. Os interessados só precisam acessar o serviço e inserir seu endereço de e-mail. O sistema procurará na internet os dados pessoais disponíveis relacionados a esse

Um serviço gratuito do Hasso Plattner Institute para a engenharia de sistemas de TI na Universidade de Potsdam, permite que os usuários descubram se suas informações pessoais foram disponibilizadas online.

Cyber-Security-e1390238174416

Os interessados só precisam acessar o serviço e inserir seu endereço de e-mail. O sistema procurará na internet os dados pessoais disponíveis relacionados a esse e-mail.

Caso nomes, senhas, detalhes da conta ou outros dados pessoais associados ao endereço de e-mail estejam circulando na internet, o HPI alertará o usuário por e-mail e lhe dará dicas sobre como proceder. Por questões de segurança, o instituto não divulgará a natureza exata dos dados.

Os cientistas da computação que desenvolveram o serviço de análise de big data deram a essa inovação o nome de Identity Leak Checker. Até o momento, os pesquisadores do instituto da universidade, financiado por Hasso Plattner, cofundador da SAP, já identificaram e analisaram mais 170 milhões de conjuntos de dados pessoais na internet. Já foram realizadas cerca de 667.000 verificações gratuitas desde o lançamento do produto na Alemanha. Em 80.000 casos, os usuários tiveram que ser informados que foram vítimas de roubo de identidade.

“Esse tipo de sistema de alerta para dados pessoais roubados que circulam na internet tem como objetivo alertar os usuários sobre a forma como administram seus dados pessoais”, afirmou o Prof. Christoph Meinel, diretor do HPI. Seu departamento também criou um banco de dados para analisar as vulnerabilidades de TI. Ele integra e combina grandes quantidades de dados já disponíveis online sobre vulnerabilidades de software e outras questões de segurança. Atualmente, o banco de dados conta com 61.000 unidades de informação sobre os pontos fracos que existem em quase 160.000 programas de software de mais de 13.000 fabricantes.

Recentemente, o banco de dados do HPI começou a ajudar os usuários a realizarem verificações gratuitas em seus computadores para identificar os pontos fracos que os cibercriminosos exploram em seus ataques, com frequência e de maneira hábil. O sistema reconhece o navegador do usuário, inclusive os plugins utilizados com frequência, e exibe uma lista de vulnerabilidades conhecidas. Há planos de expansão do sistema de autodiagnóstico para cobrir outros softwares instalados em um computador.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor