Google quer Android além dos smartphones

MobilidadeSistema Operacional

O Google, cujo software Android reina globalmente como sistema operacional dominante em smartphones, vai intensificar esforços para fazer incursões em carros, televisores e outros dispositivos em sua conferência anual de desenvolvedores nesta semana, disseram fontes familiarizadas com o assunto. A companhia de Internet está correndo contra rivais como a Apple e Samsung Electronics para expandir

O Google, cujo software Android reina globalmente como sistema operacional dominante em smartphones, vai intensificar esforços para fazer incursões em carros, televisores e outros dispositivos em sua conferência anual de desenvolvedores nesta semana, disseram fontes familiarizadas com o assunto.

Android

A companhia de Internet está correndo contra rivais como a Apple e Samsung Electronics para expandir seus negócios rumo a um campo mais ampliado de dispositivos conectados à Internet.

“Quem tiver a plataforma que controla os dispositivos pode ter o sistema operacional dominante não apenas de dispositivos, pode ser o sistema operacional de toda sua casa”, afirmou o analista Sameet Sinha, do banco de investimento B. Riley & Co.

“Novas plataformas oferecem novas oportunidades de vendas de hardware, vendas de publicidade, e-commerce, tudo isso”, acrescentou.

O Google não quis revelar se o presidente-executivo Larry Page falará na conferência de dois dias Google I/O, que começa na quinta-feira e deve atrair mais de 6.000 desenvolvedores de todo o mundo.

A expectativa é que o Google forneça uma atualização sobre seus planos para integrar o Android a automóveis, facilitando o acesso de motoristas e passageiros a recursos de navegação e de entretenimento disponíveis em seus smartphones, de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto.

A empresa também poderá divulgar um novo serviço que rastreia informações pessoais de saúde e fitness, similar aos serviços recentemente introduzidas pela Apple e Samsung, afirmou outra pessoa familiarizada com o assunto.

À Reuters, uma porta-voz do Google não quis comentar nenhum dos potenciais anúncios da conferência.

 


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor