Piauí recebe teste de internet via balões do Google

HOMEOperadorasRedes

Lançados a partir do Aeroporto Nossa Senhora de Fátima, zona rural de Teresina (PI), dois balões com capacidade para subir até 20 km de altura foram lançados pelo Projeto Loon, com o objetivo de testar as condições meteorológicas da região e garantir o acesso à internet em locais remotos. De acordo com Fábio Coelho, presidente

Lançados a partir do Aeroporto Nossa Senhora de Fátima, zona rural de Teresina (PI), dois balões com capacidade para subir até 20 km de altura foram lançados pelo Projeto Loon, com o objetivo de testar as condições meteorológicas da região e garantir o acesso à internet em locais remotos.

loon piaui

De acordo com Fábio Coelho, presidente do Google no Brasil, o Piauí foi escolhido para a realização desse teste porque o Nordeste tem apenas 27% de domicílios com acesso à internet, o 2° pior índice de acesso no Brasil.

O Brasil é o segundo país em que o Google lança balões em fase teste para acesso à internet em áreas remotas, a primeira vez ocorreu na Nova Zelândia.

No município de Campo Maior, a 84 km da capital Teresina, foi feito um teste em maio com os balões do Google para verificar a conectividade na Escola Linoca Castelo Branco, no povoado Água Fria à 28 Km do município.

Durante o teste os alunos da escola puderam acessar a web por mais de 1 hora.

O Ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, participou dos lançamentos dos balões do Projeto Loon do Google no Brasil. “Esse projeto é muito importante para que as pessoas do interior tenham acesso à internet, seja para estudar, para mandar mensagem para família. Vamos levar para as áreas que mais necessitam. As pessoas precisam de tecnologia e isso pode ser feito com nossa fibra ótica.”, disse.

O balão é feito de um plástico especial capaz de suportar baixas temperaturas, que a 20 km de altura podem chegar à 50° negativos. A ideia é que o balão se mantenha estacionário na atmosfera, sem retornar ao solo.

O teste realizado verificará como se comporta a transmissão de internet num lugar que apresenta temperaturas elevadas, como é o caso do Piauí, devido a sua proximidade com a Linha do Equador.

O dispositivo que vai ficar na estratosfera tem painéis solares que captarão e fornecerão energia para o sistema eletrônico do balão, rádios e computador de voo, além do controle de altitude que moverá o balão para cima e para baixo na estratosfera.

Fábio Coelho declarou que não há interesse do Google em comercializar telefonia 4g ou acesso à internet, mas o interesse maior da empresa é comercializar os balões que estão sendo testados.

Paulo Bernardo foi indagado sobre como será a disponibilidade da internet na Copa do Mundo, e explicou:” Já fizemos instalações em todos os estádios da copa com a fibra para transmissão. Todas as pessoas terão internet 2G/3G/4G nos seus celulares. O sistema já foi abastecido, instalado e testado, aproveitamos para testar nos últimos jogos que ocorreu e tudo deu certo.”, relatou o ministro.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor