Samsung desafia Android com smartphone de sistema próprio

HOMEMobilidadeOperadorasRedes

O smartphone Samsung Z é o primeiro smartphone rodando o sistema operacional Tizen, uma alternativa ao Android liderada pela sul-coreana. Desenvolvido sobre o Linux, o sistema é ma mais recente tentativa da Samsung de ter total domínio do hardware e do software de seus aparelhos. O objetivo da Samsung é controlar totalmente o ecossistema do

O smartphone Samsung Z é o primeiro smartphone rodando o sistema operacional Tizen, uma alternativa ao Android liderada pela sul-coreana. Desenvolvido sobre o Linux, o sistema é ma mais recente tentativa da Samsung de ter total domínio do hardware e do software de seus aparelhos.

tizen

O objetivo da Samsung é controlar totalmente o ecossistema do seu produto, coisa que a Apple consegue com o iOS mas que é impossível com o Android. E não é por falta de tentativa, pois a Samsung desenvolveu vários aplicativos exclusivos para seus smartphones, que quase nunca são usados.

A apresentação do novo aparelho aconteceu durante uma conferência de desenvolvedores de aplicativos dedicada ao Tizen, em San Francisco.

Ali, a Samsung promoveu o Tizen como uma plataforma não somente para telefones, mas também para uma série de dispositivos conectados que podem se comunicar no futuro, desde os eletrodomésticos até as fechaduras das portas, passando pelos relógios.

Além do novo smartphone, a companhia apresentou câmeras fotográficas com Tizen e um protótipo de televisão que se conecta a conteúdos online utilizando o novo sistema operacional.

Aproximadamente mil desenvolvedores compareceram ao evento da Samsung, onde o vice-presidente executivo da empresa, Jong-Deok Choi, explicou que “o objetivo deste projeto é progredir para serviços voltados para o conjunto da internet das coisas.

A Samsung colaborou com a norte-americana Intel para desenvolver a plataforma Tizen, que assim como o Android, é aberta.

Não é a primeira vez que a Samsung se aventura ao tentar um novo sistema operacional próprio. O Bada, lançado em 2010, foi pesadamente promovido pela empresa mas acabou abandonado após pouco tempo. Ele também foi desenvolvido sobre o Linux e para ser usado em dispositivos móveis e Smart TVs.

Com o apoio da Intel, que quer emplacar de todo o jeito sua linha de processadores para dispositivos móveis baseados na arquitetura x86, talvez a iniciativa dê frutos.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor