Cooperação Brasil-União Europeia em TICs é avaliada em congresso

EmpresasNegócios

Participantes do 34º Congresso da Sociedade Brasileira de Computação (CSBC 2014), em Brasília, puderam avaliar e discutir o futuro da cooperação do Brasil com a União Europeia na área de tecnologias da informação e da comunicação (TICs). Três workshops estão relacionados com a temática no evento, que prossegue até quinta-feira (31). O secretário de Política

Participantes do 34º Congresso da Sociedade Brasileira de Computação (CSBC 2014), em Brasília, puderam avaliar e discutir o futuro da cooperação do Brasil com a União Europeia na área de tecnologias da informação e da comunicação (TICs). Três workshops estão relacionados com a temática no evento, que prossegue até quinta-feira (31). O secretário de Política de Informática do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Virgilio Almeida, coordenou atividades no primeiro dia do encontro e recebeu o Prêmio Mérito Científico da SBC.

webProgrammingInternship

Organizado pelo Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Brasília (UnB), o encontro anual tem por objetivo promover a troca de experiências entre a comunidade científica e profissionais da computação. Ao todo estão programados 19 eventos dentro do congresso, entre sessões técnicas, seminários, minicursos, palestras, painéis e debates.

No 2º Workshop de Cooperação União Europeia e Brasil em Tecnologias da Informação e Comunicação, o secretário reforçou a importância da colaboração que já resultou no lançamento de dois editais e no financiamento de nove projetos selecionados entre 100 propostas. As duas chamadas somaram 21 milhões de euros, sendo a metade dos recursos compartilhada entre os parceiros.

Segundo o representante MCTI, um novo edital já vem sendo preparado para o ano que vem e deverá ter como foco de áreas consideradas estratégicas, como computação em nuvem e internet das coisas. “É muito importante essa colaboração porque tanto o Brasil quanto a Europa veem a economia digital como uma área estratégica para o crescimento desses países. Então essa colaboração, que é da parte de pesquisa, é fundamental para levar a inovação, para aproximar essas duas regiões e desenvolver projetos conjuntos”, afirmou Virgilio Almeida.

A embaixadora da União Europeia no Brasil, Ana Paula Zacarias, apontou a parceria como um dos maiores casos de sucesso em cooperações internacionais, o que serviu de modelo para recente acordo firmado com o Japão. “Ainda temos um largo espaço para a cooperação na área de TIC e há muito a fazer”, disse.

Histórico

Em setembro de 2009, o MCTI e o Ministériodas Relações Exteriores (MRE) – em conjunto com a Delegação da Comissão Europeia no Brasil, a Unidade da Comissão Europeia DG Connect, a Universidade de São Paulo (USP), a Universidade de Brasília (UnB) e a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) – promoveram o 1º Workshop UE-Brasil de Cooperação em Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC). O objetivo era promover iniciativas para pesquisa conjunta.

Durante dois dias foram realizadas discussões técnicas, no Centro de Computação Eletrônica (CCE) da USP, entre pesquisadores brasileiros e europeus. As discussões permitiram a identificação de temas de pesquisa comuns entre as duas regiões e ajudaram a definir os detalhes da Primeira Joint Research para a Cooperação entre a União Europeia e o Brasil no domínio das TICs, que foi lançado em 2010 e teve cinco projetos aprovados. Em 2011, uma segunda chamada foi lançada e contemplou quatro projetos.

Destaque

Na abertura oficial do 34º CSBC, o secretário do MCTI, Virgilio Almeida, ao receber o Prêmio Mérito Científico da SBC 2014, destacou as transformações na vida do homem moderno a partir do progresso científico e tecnológico e os desafios impostos pelos novos tempos à computação.

“A cada segundo, o Google processa 4 milhões de consultas, os usuários do Facebook compartilham 2,5 milhões de peças de conteúdo, 280 mil tweets são postados e 201 milhões de e-mails são enviados. Tudo isso, fruto das interações entre os quase 3 bilhões de usuários da internet”, informou. Por outro lado, o aparato tecnológico de alcance planetário que suporta todas essas operações, lembrou Virgilio, decorre do avanço da ciência e da engenharia da computação.

“Fica cada vez mais evidente uma dimensão desafiadora da evolução tecnológica, que é o excesso de dados”, comentou o pesquisador – que citou entre exemplos para reflexão a recente decisão dos tribunais da comunidade europeia de definir o direito ao esquecimento, ao determinar que o Google atenda as solicitações dos cidadãos europeus para que as informações pessoais irrelevantes sejam excluídas dos resultados de busca nas máquinas da companhia.

A caracterização quantitativa do comportamento dessas redes distribuídas em larga escala, a busca de propriedades invariantes desses sistemas e o desenvolvimento de modelos – que ajudam a entender e prever o comportamento de fenômenos associados às redes, que interligam máquinas, pessoas e algoritmos – são temas que fazem parte do trabalho de pesquisa do estudioso.

Em seu discurso, o secretário do MCTI também destacou a relevância da ciência e da tecnologia para a prosperidade, para o desenvolvimento econômico sustentável, para a segurança da sociedade e para a qualidade de vida dos cidadãos brasileiros.

“A computação tem tido um papel chave nos grandes avanços recentes do país, como o tratamento de grandes massas de dados e visualizações na exploração do petróleo do pré-sal, no projeto dos competitivos aviões da indústria aeronáutica brasileira e em vários aspectos das pesquisas agrícolas, que levaram ao magnífico crescimento da produção agrícola brasileira na última década. Em resumo, inovação é chave para o crescimento do país e computação é chave para a inovação”, enfatizou.

 


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor