Apple vai restringir o uso de substâncias cancerígenas

Negócios

A gigante americana se comprometeu a controlar a utilização de substâncias químicas cancerígenas nas fábricas onde se produzem os seus principais aparelhos: o iPhone, o iPad, o iPod e os computadores Mac.   A Aplle anunciou em comunicado que, na continuação dos esforços para melhorar as condições de trabalho de suas fábricas, irá utilizar substâncias

A gigante americana se comprometeu a controlar a utilização de substâncias químicas cancerígenas nas fábricas onde se produzem os seus principais aparelhos: o iPhone, o iPad, o iPod e os computadores Mac.

apple-iphone-5-yerba-buena-center

 

A Aplle anunciou em comunicado que, na continuação dos esforços para melhorar as condições de trabalho de suas fábricas, irá utilizar substâncias como o benzeno e o hexano apenas nas fases iniciais de fabrico dos seus produtos reduzindo as quantidades usadas.

Benzeno e hexano são dois químicos perigosos para a saúde de quem trabalha em contacto com eles, podendo causar câncer e danos no sistema nervoso. Apesar de a empresa da maçã ter levado a cabo uma inspeção junto de 22 das suas fábricas (incluindo uma no Brasil), durante quatro meses, que não encontrou indícios de que as substâncias utilizadas colocassem em risco os trabalhadores, preferiram tomar esta medida preventiva.

Recorde-se que em março passado, houve protestos de organizações como a China Labor Watch e a Green America, denunciando o uso deste tipo de substâncias por parte da Apple, chegando mesmo a apelar ao boicote dos produtos da empresa.

Lisa Jackson, vice-presidente da Apple para a área ambiental declarou que “estamos fazendo tudo o conseguimos pensar em fazer para combater a exposição a produtos químicos e sermos sensíveis às preocupações. Achamos que é realmente importante assumirmos a liderança e olhar para o futuro tentando usar químicos verdes”.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor