Ciência e tecnologia unem Brasil ao Japão

Negócios

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Clelio Campolina Diniz, assinou uma declaração de intenções com a Agência Japonesa de Tecnologias e Ciências da Terra e do Mar (Jamstec) e uma carta de intenções com dois ministérios do Japão – o da Educação, Cultura, Esporte, Ciência e Tecnologia e o da Terra, Infraestrutura, Transportes e

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Clelio Campolina Diniz, assinou uma declaração de intenções com a Agência Japonesa de Tecnologias e Ciências da Terra e do Mar (Jamstec) e uma carta de intenções com dois ministérios do Japão – o da Educação, Cultura, Esporte, Ciência e Tecnologia e o da Terra, Infraestrutura, Transportes e Turismo.

 232125

O primeiro documento prevê cooperação em projetos no campo das ciências do mar e da terra, por meio de intercâmbio de pessoal e discussões conjuntas. “Nossa expectativa é intensificar ainda mais a parceria com o Brasil e aprender junto com o país, principalmente, sobre oceanos”, afirmou o presidente da Jamstec, Asahiko Taira.

Já a carta assinada com duas pastas do país asiático objetiva buscar parcerias que possibilitem a colaboração entre os ministérios e seus institutos associados sobre questões ambientais e de sustentabilidade relacionadas a desastres naturais. “Temos um grande interesse em ampliar os nossos intercâmbios na área de ciência e tecnologia com as instituições japonesas”, disse o ministro Campolina.

Após a assinatura dos documentos de cooperação, o ministro e a delegação japonesa seguiram para cerimônia com presença do primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, no Palácio do Planalto. Acordos bilaterais com órgãos e instituições brasileiras, como a Petrobras e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), foram contemplados.

“O Brasil apresenta grandes oportunidades de investimento e as empresas japonesas olham para o país com muita expectativa”, afirmou Shinzo Abe. “O Brasil é a potência-chave para o relacionamento do Japão com a América Latina”, acrescentou.

O Japão é o sexto parceiro comercial brasileiro no mundo e o segundo na Ásia, atrás da China. O fluxo comercial entre os países em 2013 somou US$ 15 bilhões. As relações nipo-brasileiras foram estabelecidas em 1895 e completarão 120 anos em 2015.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor