Vírus Ebola é nova isca para golpes digitais

CyberwarHOMESegurança

O medo de uma epidemia global de Ebola tem sido o combustível para impulsionar uma nova campanha criminosa. A Symantec identificou que cibercriminosos passaram a utilizar notícias sobre a epidemia do vírus letal para atrair vítimas, obter informações sigilosas e até instalar Trojans que criam aberturas nos computadores. No total, foram identificados até o momento

O medo de uma epidemia global de Ebola tem sido o combustível para impulsionar uma nova campanha criminosa. A Symantec identificou que cibercriminosos passaram a utilizar notícias sobre a epidemia do vírus letal para atrair vítimas, obter informações sigilosas e até instalar Trojans que criam aberturas nos computadores.

Ebola-story

No total, foram identificados até o momento uma campanha de phishing que envolve notícias de um falso portal da CNN e três ataques contendo malwares.

No ataque de phishing, um e-mail que diz ser do canal de notícias CNN promete trazer um breve resumo, que inclui links para a “história não divulgada” sobre o Ebola, precauções e uma lista de regiões “alvo”. Entretanto, ao clicar nos links, o usuário é redirecionado para uma página na Internet onde deve selecionar um provedor e-mail e inserir suas credenciais de login, que são automaticamente encaminhadas aos cibercriminosos. Após isso, a vítima é, então, redirecionada para a home page real da CNN.

Já as campanhas de malware, por sua vez, enviam correspondências falsas contendo apresentações sobre a epidemia, relatórios e até mesmo as últimas notícias sobre o Zmapp, droga que obteve resultados promissores contra a doença. Entretanto, os arquivos anexados a elas possuem trojans que permitem, entre outras coisas, registrar toques no teclado, fazer gravações a partir da webcam, abrir e apagar arquivos e pastas, além de reunir detalhes sobre aplicações instaladas e o sistema operacional.

Por isso, para se prevenir, a Symantec aconselha a todos os usuários ficarem atentos a e-mails não solicitados, inesperados ou suspeitos. Caso não haja certeza da legitimidade do e-mail, não responda e evite clicar nos links da mensagem ou abrir anexos. A empresa reforça a necessidade do usuário proteger seus sistemas com softwares de segurança, como o seu Norton 360 Multi-Device.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor