4G disputada por Vivo, TIM e Claro

4GMobilidadeNegóciosOperadorasProjetosRedesService Provider

As empresas de telecomunicações Vivo, TIM e Claro estão disputando a faixa de 700 MHz onde será integrada a tecnologia 4G, depois de se terem registrado no leilão, do qual ficaram de fora a Oi e a Nextel. A venda da frequência de telecomunicações móveis de quarta geração deverá acontecer já no próximo dia 30,

As empresas de telecomunicações Vivo, TIM e Claro estão disputando a faixa de 700 MHz onde será integrada a tecnologia 4G, depois de se terem registrado no leilão, do qual ficaram de fora a Oi e a Nextel.

4G

A venda da frequência de telecomunicações móveis de quarta geração deverá acontecer já no próximo dia 30, paralelamente a uma consolidação do setor brasileiro, causada pela compra da GVT pela Telefônica (que no Brasil opera sob a marca Vivo) e pela fusão da Oi com a Portugal Telecom, tentando dessa forma delinear uma estratégia para a aquisição conjunta da TIM, a subsidiária da Telecom Italia.

Com o leilão, o governo espera conseguir embolsar cerca de 7,7 bilhões de reais com a venda de licenças.

Para além de três das quatro maiores operadoras do Brasil, também a Algar Telecom, com operações no interior de São Paulo, em Góias e em Minas Gerais, vai competir por um lugar na faixa de 700 MHz.

Oi disse que optara por não entrar na “batalha” e vai utilizar a faixa de 2,5 GHz de que atualmente dispõe para oferecer telecomunicações 4G aos seus clientes. Tendo terminado os primeiros seis meses de 2014 com uma dívida líquida de aproximadamente 46 bilhões de reais, operadora brasileira revelou que se vai manter fiel à sua estratégia de investimento, apostando em projetos estruturantes de rede. A Oi disse que só teria uso para a faixa que está sendo leiloada em 2019.

Esta decisão Oi é vista pelos analistas como um mau plano, pois a empresa perderá terreno sem a faixa de 700 MHz. Dessa forma, disseram o analistas, a Oi sentirá uma maior pressão para adquirir a TIM, conseguindo – aquando da compra – recuperar algumas das forças perdidas.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor