Techs de Silicon Valley vão recorrer de decreto de Koh

Negócios

Um grupo de quatro tecnológicas, do qual fazem parte a Google e a Apple, criticaram uma juíza americana por ter rejeitado um acordo de 324,5 milhões de dólares que colocaria termo a um processo judicial relativo às políticas de recrutamento em Silicon Valley. As empresas disseram que vão recorrer da decisão. Tudo começou quando, em

Um grupo de quatro tecnológicas, do qual fazem parte a Google e a Apple, criticaram uma juíza americana por ter rejeitado um acordo de 324,5 milhões de dólares que colocaria termo a um processo judicial relativo às políticas de recrutamento em Silicon Valley. As empresas disseram que vão recorrer da decisão.

apple google

Tudo começou quando, em 2011, funcionários da Google, da Apple, da Adobe e da Intel alegaram que existia um pacto secreto entre as quatro empresas para que nenhuma tentasse recrutar os funcionários de outra.

No passado mês de agosto, a juíza distrital Lucy Koh recusou uma proposta de acordo sobre o processo, apontando que a quantia avançada era demasiado reduzida.

Os funcionários das tecnológica afirmaram que esta “aliança” restringia severamente a sua mobilidade laboral, resultando na estagnação dos salários. Estas alegações se basearam em um conjunto de emails trocados entre o falecido co-fundador da Apple Steve Jobs, o antigo diretor executivo da Google Eric Schmidt, e executivos de algumas das suas rivais.

De acordo com os advogados dos funcionários, se Koh se recusar a aprovar a proposta, os lesados poderão correr o risco de perder o caso, se as tecnológicas envolverem no processo um tribunal de recursos.

Aquando do decreto, Lucy Koh admitiu existirem fortes provas que colocam Steve Jobs no centro de toda a alegada conspiração. A juíza quer que a proposta ultrapasse, ou pelo menos atinja, os 380 milhões de dólares.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor