Oi não cede a exigência de Isabel dos Santos

NegóciosOperadorasRedes

Apesar de a oferta de aquisição lançada pela multimilionária angolana poder ser uma oportunidade de conclusão de um processo de fusão que não tem sido benéfico para a imagem, quer da Oi, quer da PT, a operadora brasileira não viu com bons olhos as condições impostas por Isabel dos Santos. A OPA (Oferta Pública de Aquisição) lançada

Apesar de a oferta de aquisição lançada pela multimilionária angolana poder ser uma oportunidade de conclusão de um processo de fusão que não tem sido benéfico para a imagem, quer da Oi, quer da PT, a operadora brasileira não viu com bons olhos as condições impostas por Isabel dos Santos.

1l0mwjdozmqcvfr4odzwsigcu

A OPA (Oferta Pública de Aquisição) lançada pela filha do presidente angolano, José Eduardo dos Santos, sobre a Portugal Telecom SGPS (sociedade que detém 25% da Oi) previa a reformulação do acordo de permuta de ações estabelecido entres os acionistas da PT e da Oi, no passado mês de setembro.

Mas a Oi optou por não ceder a essa exigência da empresária angolana, até porque o valor oferecido pelas ações da empresa portuguesa está agora 3,7% abaixo do valor de mercado. Depois de ontem terem negociado acima dos € 1,35 propostos por Isabel dos Santos, as ações da PT continuam hoje acima do valor colocado em cima da mesa, tendo já atingido os € 1,40.

Essa posição da telecom brasileira pode significar que não haverá consenso e que desse lado do Atlântico, a situação está sendo encarada como uma tentativa de impedir que os ativos portugueses da PT sejam vendidos para fora do espectro da lusofonia, no caso aos franceses da Altice que avançaram com uma oferta de US$ 8,7 bilhões pela PT Portugal.

A empresa portuguesa, proprietária de 39% da Oi, viu suas ações subirem 12% logo após o anúncio da proposta apresentada por Isabel dos Santos, através da sua empresa Terra Peregrin, nascida apenas dois dias antes. Essa manhã, as ações continuam subindo, tendo já valorizado em 2,87%.

Assim, tendo em conta a diferença de valores entre a oferta da Terra Peregrin e a atual avaliação das ações, bem como a diferença de posições entre a Oi e a potencial compradora, é pouco provável que essa história chegue a um final felizmas aguarda-se uma possível subida do valor da oferta angolana.

isabel dos santos quadrado


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor