Centro tecnológico do Instituto Mamirauá promove formação

EmpresasNegócios

Aulas, práticas e projetos fazem parte da formação no Centro Vocacional Tecnológico (CVT) Tecnologias Sociais da Amazônia, do Instituto Mamirauá. As aulas são moduladas e organizadas semanalmente. Além de disciplinas comuns aos currículos regulares de ensino médio, os estudantes têm aulas com temáticas variadas e participam de atividades de extensão e pesquisa promovidas pelos técnicos

Aulas, práticas e projetos fazem parte da formação no Centro Vocacional Tecnológico (CVT) Tecnologias Sociais da Amazônia, do Instituto Mamirauá. As aulas são moduladas e organizadas semanalmente. Além de disciplinas comuns aos currículos regulares de ensino médio, os estudantes têm aulas com temáticas variadas e participam de atividades de extensão e pesquisa promovidas pelos técnicos e pesquisadores do instituto.

economy

“A proposta pedagógica do CVT parte de dois princípios: pedagogia de projetos, construídos a partir das demandas, necessidades, experiências e conhecimentos que os estudantes buscam ter; e a abordagem da prática, onde o conhecimento teórico dialoga com atividades em campo”, aponta o gestor do centro vocacional tecnológico, Sandro Augusto Regatieri.  A interação dos alunos com as atividades de pesquisa e extensão contribui para a construção do currículo.

“As demandas deles surgem quando eles vão para campo. A problematização, a vontade de buscar um novo conhecimento, as dúvidas e os questionamentos surgem nas atividades práticas. A sala de aula se transforma no espaço para resolver estas questões”, acrescenta.

Após as atividades de campo, os alunos preparam o repasse da experiência para os colegas que não participaram, refletindo sobre o que vivenciaram. A turma também faz a sua análise. Conforme essas questões ganham corpo, o currículo do CVT é construído.

Um exemplo são as aulas de legislação sobre associativismo que ocorreram em novembro. “Está sendo importante porque a gente não conhecia nada sobre a legislação, estamos tirando nossas dúvidas”, conta o aluno Raimundo Moreira.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor