Investimento em redes de 4G irá aumentar

4GMobilidadeOperadorasRedes

As empresas de telecomunicações europeias parecem estar prontas para um ano imprevisível: em parte devido à consolidação de algumas operadoras e, por outro lado, devido a um abrandamento da implementação de redes móveis mais rápidas, como tem acontecido na China e nos Estados Unidos. Apesar disso, o investimento irá aumentar, como apontam as previsões. Apesar

As empresas de telecomunicações europeias parecem estar prontas para um ano imprevisível: em parte devido à consolidação de algumas operadoras e, por outro lado, devido a um abrandamento da implementação de redes móveis mais rápidas, como tem acontecido na China e nos Estados Unidos. Apesar disso, o investimento irá aumentar, como apontam as previsões.

4g

Apesar desse cenário, está previsto que os gastos a nível global com redes móveis e fixas cresça, pelo segundo ano. As operadoras têm feito um esforço para conseguir acompanhar as necessidades de seus clientes e melhorar a cobertura de rede. Afinal, o aumento do tráfego de dados, em parte graças ao uso de vídeo e dos smartphones, tem vindo a aumentar cada vez mais.

Em países como o Japão, Coreia do Sul ou os Estados Unidos, as redes mais rápidas, de 4G, já estão consolidadas. Já na América Latina ou África, só agora tem começado a aposta no melhoramento dos serviços.

Um aumento de 8% e um gasto de US$ 43.36 bilhões – é esta a previsão do Gartner para os gastos dos operadores de telecomunicações, em infraestrutura móvel e comunicação mais tradicional (baseada em rádio).

Empresas como a Vodafone estão investindo cada vez mais no melhoramento de suas redes, algo que acaba pondo pressão em seus concorrentes e fazer o mercado mexer.

Mas, na Europa, esta situação pode não acontecer: o número de empresas em processo de negociação ou de aquisição, como é o caso da Altice, que comprou a PT Portugal, ou do negócio entre a Hutchison Whampoa, que já concordou em comprar a O2.

Este tipo de negociações pode atrasar ou até adiar o investimento nas redes, enquanto os contratos são repensados ou se faz o processo de transição depois do negócio.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor