NEC e Telefónica ganham prêmio por virtualização de CPE

OperadorasRedes

A NEC e a Telefónica ganharam o prêmio de inovação por seu projeto de teste de virtualização de CPE, atribuído pela Telecoms.com, que permite reduzir os custos de acesso à rede de banda larga e criação de uma plataforma que permite acelerar inovações em seus serviços. O teste foi feito no Brasil, onde a Telefónica

A NEC e a Telefónica ganharam o prêmio de inovação por seu projeto de teste de virtualização de CPE, atribuído pela Telecoms.com, que permite reduzir os custos de acesso à rede de banda larga e criação de uma plataforma que permite acelerar inovações em seus serviços.

data

O teste foi feito no Brasil, onde a Telefónica atua sob a marca Vivo e fornece serviços de banda larga, telefone fixo, TV por cabo e serviços móveis.

A NEC e a Telefónica foram as primeiras empresas a iniciar a virtualização das gateways residenciais de banda larga, em outubro de 2013. Essa gateway oferece conectividade e funciona também como um ponto de acesso, um switch e um modem.

Esta gateway residencial simplificada permite que correções, upgrades de firmware, largura de banda ou de memória que podem ser feitas remotamente, permitindo eliminar as visitas técnicas a casa do cliente, que acabam por ser dispendiosas.

Enrique Algaba, Director de Network Innovation na Telefónica I+D – Global CTO Unit referiu que  “estamos muito satisfeitos por ter ganho este prêmio de inovação, que é o reconhecimento do progresso que temos feito nesta viagem do ponto de vista do avanço tecnológico. Estamos no caminho certo para lançar o CPE virtual aos nossos clientes”.

Kazuya Hashimoto, Executive Vice President da Carrier Division da NEC na Europa, disse que “os testes vCPE da NEC com a Telefónica tiveram como objetivo facultar aos clientes um acesso mais fácil a um leque alargado de serviços de banda larga, e reduzir o número de chamadas de suporte que necessitam de fazer para melhorar os seus níveis de satisfação e as receitas. A Telefónica está na vanguarda, demonstrando que será possível desenvolver, fornecer e suportar serviços de entretenimento e comunicações virtualizadas de forma mais rápida e flexível”.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor