30% das vagas de TI do Brasil estão em São Paulo

EmpresasNegócios

A cidade de São Paulo concentra 30% das vagas de TI brasileiras. A conclusão é de um relatório feito pela empresa de recursos humanos Kelly Services, que concluiu também que os salários da área na cidade são mais altos do que a média de remunerações nacional. A empresa, que fez o levantamento entre 2010 e

A cidade de São Paulo concentra 30% das vagas de TI brasileiras. A conclusão é de um relatório feito pela empresa de recursos humanos Kelly Services, que concluiu também que os salários da área na cidade são mais altos do que a média de remunerações nacional.

HR

A empresa, que fez o levantamento entre 2010 e 2013, concluiu que o mercado de trabalho na cidade paulista cresceu três vezes em relação ao mercado de outros setores de atividade.

Só na cidade de São Paulo, trabalham cerca de 90 mil profissionais de TI, mas é esperado que o número aumente ainda durante este ano, podendo ultrapassar a marca de 150 mil trabalhadores na área, até dezembro.

Existe uma maior demanda por Engenheiros de TI, como indicado no relatório, que mostra que esta profissão gerou 48% das vagas de trabalho no período analisado. Mas existem outras profissões com procura elevada, como Gerente de TI, com 29%, ou Analista de TI, com 28%.

Em relação aos salários, os trabalhadores de TI paulistanos recebem R$ 83 mil, número mais elevado do que a média nacional, que se fica pelos R$ 74 mil. Mas as remunerações também têm diferenças significativas consoante a posição ocupada na estrutura: no caso de um Gerente de TI em São Paulo pode conseguir ganhar uma média de R$ 170 mil; mas se for um Gerente de TI de outra cidade, ganhará uma média de R$ 118 mil. O mesmo acontece no caso de Engenheiros de TI, em que a diferença de salário consoante a área geográfica pode chegar até aos R$ 48 mil.

Outra das conclusões do estudo é que o campo de atuação de TI está a tornar-se mais amplo, com vários segmentos com vagas para profissionais. A área de desenvolvimento surge em primeiro lugar da lista, com 17%, seguida por bancos e finanças e consultorias de TI.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor