ZTE quer investir em carga sem fios para carros elétricos

Negócios

A fabricante de smartphones chinesa quer investir um total de US$ 560 milhões em tecnologia que permitirá carregar veículos elétricos através de tecnologia wireless. A ideia é investir em duas fases: primeiro, US$ 240 milhões ainda este ano e os restantes em 2016. A informação foi avançada à agência Reuters por um executivo da empresa

A fabricante de smartphones chinesa quer investir um total de US$ 560 milhões em tecnologia que permitirá carregar veículos elétricos através de tecnologia wireless. A ideia é investir em duas fases: primeiro, US$ 240 milhões ainda este ano e os restantes em 2016.

zte

A informação foi avançada à agência Reuters por um executivo da empresa e vai ao encontro do anúncio do diretor estratégico da ZTE, George Sun, que disse que a empresa já tinha assinado acordos com o governo chinês para fornecer tecnologia de carga wireless para os transportes públicos do país. A meta é conseguir impulsionar a indústria de carros elétricos chinesa.

A maioria dos motoristas chineses ainda não adotou inteiramente os carros elétricos, apesar dos vários programas do governo para apoiar o desenvolvimento deste segmento. Os transportes públicos são exceção à regra, com um amplo uso de veículos elétricos, justamente para incentivar a adoção do público e impulsionar o ganho de escala da indústria.

A ZTE está em negociações para implantar o sistema de carregamento sem fios em 50 a 100 cidades ainda em 2015. Estes testes duram, normalmente, entre três a quatro meses e são feitos em um ou dois percursos dos transportes da cidade.

No transporte público, o uso da tecnologia de carregamento sem fios é interessante, pois permite diferentes abordagens. A clássica, em que os veículos, estacionados captam energia e carregam as baterias – em mais tempo que plugados na rede elétrica. E a incremental, em que os ônibus tem baterias menores e carregam a cada parada, um pouco por vez. O desafio, aceito pela ZTE, é conseguir desenvolver uma forma de transferir energia sem conexão física com o mínimo de perdas e maior eficiência, reduzindo o tempo necessário para a carga.

Com baterias menores, além de mais baratos de produzir, os ônibus rodariam bem mais leves, equivalendo os custos iniciais com os ônibus convencionais e trazendo economia real ao longo de sua vida útil.

A China tem feito esforços para conseguir alterar sua política ambiental, com medidas para aumentar a eficiência energética. O governo ofereceu cortes de impostos nos veículos mais amigos do ambiente.

O interesse da ZTE na indústria automotiva vai de encontro no crescente interesse na tecnologia para veículos elétricos. A norte-americana Tesla, que foi pioneira na produção em massa de carros exclusivamente elétricos, tem investido pesado no desenvolvimento e fabricação de baterias e chegou inclusive a abrir algumas de suas patentes para estimular a entrada de outros fabricantes no jogo e a criação de um padrão industrial único.

Atualmente, cada fabricante segue seu próprio caminho, o que dispersa o potencial de pesquisa conjunta. A iniciativa da ZTE pode ser o embrião de um possível padrão para o carregamento sem fio das baterias dos carros elétricos até pelo fator de escala, pois se estiver disseminado na China, terá custo significativamente inferior que uma eventual solução ocidental.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor