MWC 2015: Samsung quer que Galaxy S6 seja carteira digital do usuário

MobilidadeSoftware

Durante a apresentação do Galaxy S6, que antecedeu o Mobile World Congress, um dos pontos que recebeu mais ênfase foi o serviço Samsung Pay, que permite que tanto o Galaxy S6 como o Galaxy S6 Edge sejam utilizados como carteira digital. O serviço, parte hardware, parte software, faz o intermédio do smartphone do usuário com

Durante a apresentação do Galaxy S6, que antecedeu o Mobile World Congress, um dos pontos que recebeu mais ênfase foi o serviço Samsung Pay, que permite que tanto o Galaxy S6 como o Galaxy S6 Edge sejam utilizados como carteira digital.

samsung_pay

O serviço, parte hardware, parte software, faz o intermédio do smartphone do usuário com a máquina de cartões do lojista de forma segura e rápida. O diferencial no serviço da Samsung é que, ao incorporar uma tecnologia recém-comprada pela empresa, é possível que até mesmo máquinas de cartão mais antigas funcionem no sistema.

O smartphone tem as credenciais de segurança cadastradas no serviço e atreladas ao sistema de leitura biométrica. Quando vai fazer a compra em uma loja, o usuário seleciona no aplicativo do Samsung Pay o pagamento e a transmissão segura dos dados. O que acontece então é a geração de um token seguro junto aos servidores das operadoras de cartão, que viabilizará a transação.

Esse token é uma forma de se isolar as informações pessoais do usuário. O que trafega do celular para a máquina de cartão é essa chave de segurança única, já validada, que libera apenas o valor da compra.

Aí entra a parte do hardware. Esse token pode ser transmitido via NFC (como acontece com o Apple Pay), ou por transmissão magnética segura (MST). Duas minúsculas bobinas magnéticas embutidas no smartphone conseguem emitir o mesmo sinal que a máquina de cartão lê na tarja magnética do cartão de crédito.

Para o lojista, dá no mesmo que passar o cartão físico na máquina, pois o processamento da transação é indiferente depois da leitura do final. E esse é o trunfo da Samsung.

Nos EUA, a grande maioria das máquinas de cartões ainda não lê chips. Como a quantidade de equipamentos por lá é absurdamente alta, o ciclo total de substituição deve demorar de 5 a 7 anos. Nesse período, meios de pagamento que usem exclusivamente NFC dependem de novas máquinas compatíveis com a tecnologia vão encontrar uma barreira instransponível de crescimento.

Ao incorporar a tecnologia magnética no S6 e implementar o Samsung Pay, a sul-coreana abriu para si uma oportunidade de negócio grande. Ela efetivamente conseguiu um diferencial em relação à concorrência (e aí não falamos apenas de Apple Pay, mas também de Google Wallet e PayPal One Touch) que pode virar o jogo, pelo menos nos EUA e em outros territórios onde o NFC ainda não é uma opção viável.

No momento, as maiores operadoras de cartão do planeta (Visa e Mastercard), já são conveniadas com o serviço da Samsung, e o objetivo da fabricante é expandir para outras operadoras.

É importante notar que essa tecnologia de transmissão magnética tem data de validade. Os bancos e operadoras de cartões de crédito mudaram para os cartões com chip justamente pela limitação dos protocolos de segurança utilizados nas tarjas magnéticas.

No Brasil mesmo, há anos que ninguém usa a tarja magnética dos cartões. É tudo por chip. E quando entra o chip na jogada que a vantagem estratégica do Samsung Pay se perde. Porém, temos que pensar no alvo da Samsung hoje: o gigantesco mercado norte-americano.

Claro, o serviço será expandido para outros territórios (primeiro EUA e Coréia do Sul, depois Europa, nenhuma menção ao Brasil), mas o quente, nesse momento é o mercado americano, onde a Apple está dominando, com 67% de participação com seu Apple Pay.

E terminamos com uma dúvida: onde está o Google Wallet funcionando a todo o vapor, que deixou um vácuo para a Samsung vir com os dois pés no peito com um sistema de pagamentos promissor? O que falta para a consolidação da carteira digital do Google no mundo físico, já que no mundo digital, dentro dos aplicativos e do e-commerce, ela funciona tão bem?


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor