UE vai investigar comércio eletrônico

EmpresasNegócios

Os Reguladores da União Europeia planejam investigar o comércio eletrônico para ajudar a remover barreiras contra o comércio transfronteiriço no bloco de 28 países, disse a Comissária de Competição Europeia, Margrethe Vestager, uma decisão que pode levar a ações contra companhias que deliberadamente bloqueiam vendas online. A chefe antitruste da UE disse que decidiu lançar

Os Reguladores da União Europeia planejam investigar o comércio eletrônico para ajudar a remover barreiras contra o comércio transfronteiriço no bloco de 28 países, disse a Comissária de Competição Europeia, Margrethe Vestager, uma decisão que pode levar a ações contra companhias que deliberadamente bloqueiam vendas online.

comercio_eletronico_2012

A chefe antitruste da UE disse que decidiu lançar o inquérito que demorará um ano pois tais obstáculos estão impedindo o crescimento das vendas online.

Segundo a Comissão Europeia, ao mesmo tempo em que um de cada dois consumidores da UE fizeram compras online no ano passado, apenas 15 % compraram um produto online em outro país da UE devido a restrições como idioma, leis diferentes e comportamentos anticompetitivos.

“Já é hora de remover as barreiras remanescentes ao comércio eletrônico, que é uma parte vital de um verdadeiro mercado digital único na Europa”, disse Margrethe a repórteres em conferência organizada ontem pela autoridade alemã de competição e divulgada pela Reuters.

“Esperamos obter os resultados preliminares em meados de 2016. É uma longa espera mas isso reflete o escopo do inquérito”, disse Margrethe. A autoridade de competição da UE planeja enviar questionários a todos os países da UE e para diversas companhias.

A averiguação de Margrethe tem como objetivo identificar barreiras anticompetitivas e encontrar maneiras de enfrentá-las.

A comissária, que é dinamarquesa, disse que o inquérito não é direcionado contra companhias norte-americanas que têm grande atuação no comércio eletrônico.

“Não é uma questão de nacionalidade, é uma questão de comportamento”, disse ela.

 


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor