Claro anuncia investimentos de R$ 8 bilhões para este ano

MobilidadeOperadorasProjetosRedesService Provider

O presidente da operadora, Carlos Zenteno afirmou que valor deve ser menor do que em 2014, quando a companhia gastou cerca de R$ 10 bilhões em capital para aumento de sua infraestrutura no País, não por conta da retração esperada pela economia, mas sim por conta da rotatividade dos investimentos. A companhia, que pertence à

O presidente da operadora, Carlos Zenteno afirmou que valor deve ser menor do que em 2014, quando a companhia gastou cerca de R$ 10 bilhões em capital para aumento de sua infraestrutura no País, não por conta da retração esperada pela economia, mas sim por conta da rotatividade dos investimentos.

Claro Headquarters Latin America

A companhia, que pertence à gigante mexicana de telecomunicações América Móvil, deve empenhar a quantia na aquisição e manutenção dos sistemas de rede, aquisição de manutenção da infraestrutura para a rede móvel e fixa, expansão da oferta de 4G em cidades que não são atendidas pela tecnologia, abertura de lojas próprias, lançamento de promoções e também para o desenvolvimentos de novos produtos.

A companhia indica também, que duas estratégias estão no foco dos investimentos: Em primeiro lugar o crescimento da base de clientes nas regiões norte e no estado da Bahia, onde a tele entende que os usuários são sub-atendidos, além do cumprimento das metas para a cobertura de regiões rurais e descentralizadas em localidades como o interior de São Paulo e de estados extensos como Minas Gerais e a própria Bahia. “Tudo isso deve ser vir para que a colocação que ocupamos no ranking da Anatel, seja mantida no primeiro lugar”, disse o executivo, ao abrir no próprio smartphone o app da agência reguladora e demonstrar aos jornalistas, em tempo real, a liderança da companhia no ranking.

Zenteno explica que a diminuição nos investimentos tem duas explicações centrais. A primeira é que no último ano, parte dos R$ 10 bilhões gastos pela operadora no Brasil foram escoados para a compra de um lote no leilão de 4G, ocorrido em Setembro passado, o que no caso da Claro consumiu cerca de R$ 1,92 bilhão. Outra razão é que este ano, além de não haver gastos únicos tão significativos como a compra do lote em setembro passado, a limpeza na faixa adquirida pela empresa deve custar “algumas centenas de milhões de reais”, muito menos que os quase R$ 2 bilhões gastos em uma só tacada em 2014.

Na época, concorrentes também gastaram cifras bilionárias como a TIM, que investiu R$ 1,94 bilhão, a Vivo, com aplicação de R$ 1,92 bilhão e a Algar Telecom, que aplicou cerca de R$ 29,5 milhões para um lote em sua operação regional, no estado de Minas Gerais. A Oi, única operadora de telefonia brasileira de cobertura nacional, não participou do certame, por conta de complicações financeiras, em decorrência de um rombo financeiro descoberto durante a fusão com a Portugal Telecom.

A companhia aponta que os investimentos vão ajudar a adquirir small cells, as antenas de alcance curto, utilizadas para reforçar o sinal em regiões muito urbanizadas, com edificações que causam falhas de sinal e buracos na cobertura. “A gente vai continuar trabalhando com todas as fornecedoras homologadas em nossos testes e fazer a instalação de inúmeras antenas indoor de fabricantes como Nokia, Ericsson, NEC, Alcatel-Lucent e Huawei, alguns dos nossos principais parceiros na operação”, afirmou o presidente.

Durante o lançamento de uma promoção nova lançada em parceria com a gigante do entretenimento Disney, questionado pelos jornalistas sobre o corte da conectividade ao fim da franquia de dados, Carlos Zenteno declarou que os novos bônus cedidos aos clientes – para que naveguem por qualquer conteúdo, sobrepondo-se à antiga navegação grátis por parceiros comerciais como Facebook e Twitter – não foi uma mudança de estratégia preventiva. Existe uma discussão no governo que o corte do acesso possa ferir o Marco Civil.

“A gente tomou a iniciativa de iniciar a entrega dos bônus condicionados às recargas, porque achamos mais democrático, já que o usuário fica livre para acessar o conteúdo que bem entende. Ainda assim, a navegação grátis continua ativa, para os clientes que assim preferir”, explicou.

Ele ressalta que uma pesquisa realizada pela companhia revelou que apenas 1% de todos os clientes que utilizavam a navegação se restringiam ao acesso dos parceiros. Os outros 99% dos usuários do plano saiam para ver outros conteúdos, além dos parceiros da Claro. “Por isso a gente entendeu que esses usuários precisavam”, finaliza.

Também anunciada pela companhia, a nova promoção Recarga Disney Gogo’s, deve presentear os clientes pré-pago da companhia com miniatruas (Gogo’s) e figurinhas colecionáveis de personagens famosos como Mickey, Minnie, Pato Donald, princesas Disney e criaturas de de filmes como Frozen, Wall-e, Muppets e Toy Story. A ação vale a partir de hoje.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor