Alunos do Instituto Mauá iniciam construção de satélite de pesquisas miniaturizado

EmpresasNegócios

Há dez anos, o Instituto Mauá de Tecnologia por meio do Núcleo de Sistemas Eletrônicos Embarcados (NSEE) iniciou a atuação em pesquisas e projetos na área aeroespacial. Atualmente, alunos dos cursos de Engenharia Elétrica, de Engenharia de Computação e de Engenharia de Controle e Automação iniciaram a construção de um Cubesat, satélite em miniatura em

Há dez anos, o Instituto Mauá de Tecnologia por meio do Núcleo de Sistemas Eletrônicos Embarcados (NSEE) iniciou a atuação em pesquisas e projetos na área aeroespacial. Atualmente, alunos dos cursos de Engenharia Elétrica, de Engenharia de Computação e de Engenharia de Controle e Automação iniciaram a construção de um Cubesat, satélite em miniatura em formato de cubo, com tamanho de 10 cm x 10 cm x 10 cm, usado para pesquisas espaciais e comunicações radioamadoras. No mundo inteiro, os projetos de Cubesat são desenvolvidos por alunos e é uma oportunidade que eles têm de aprenderem a trabalhar com sistemas complexos e multidisciplinares.

instituto mauá

“Nessa fase inicial, os alunos diretamente ligados ao projeto do Cubesat, estão tendo a possibilidade de entender o desenvolvimento de um sistema complexo na prática, já que os modelos de gravidade, estrutura, temperatura entre outros, são diferentes”, explica o professor do curso de Engenharia Elétrica e coordenador do projeto Vanderlei C. Parro.

“A participação da Mauá é muito importante nesse tipo de projeto, pois representa a possibilidade de proporcionar aos alunos mais uma oportunidade de inserir seu trabalho num cenário internacional. Ao final do Cubesat, a equipe que o está desenvolvendo poderá participar de concursos no mundo inteiro para apresentar o trabalho”, acrescenta o professor Parro, ao reforçar que, para a Mauá, é uma porta de entrada para ocupar um papel relevante na área aeroespacial, principalmente no que tange a sistemas eletrônicos.

A Mauá conta com o apoio do Projeto Citar (Circuitos Integrados Tolerantes à Radiação), que está inserto no “Programa CI Brasil”, financiado pela FAPESP, pelo CNPq e pela FINEP, e conta com a participação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), da Agência Espacial Brasileira (AEB), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), do Instituto de Estudos Avançados (IEAv), do Centro de Tecnologia da Informação Renato Acher (CTI Renato Acher), da FACTI Tecnologia da Informação, do Instituto de Física da USP (IFUSP), e da DTH.

“Queremos que nossos projetos contribuam para a formação de engenheiros com qualificação para desenvolver e participar do desenvolvimento de sistemas complexos cada vez mais necessários e presentes na sociedade atual “, acrescenta o professor.

O Instituto Mauá de Tecnologia – IMT promove o ensino técnico-científico, visando formar recursos humanos altamente qualificados. Fundado em 1961, o IMT, com campi em São Paulo e São Caetano do Sul, mantém duas unidades: Centro Universitário e Centro de Pesquisas.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor