Bancos avaliam em até € 2,4 bilhões unidade de torres da Telecom Italia

NegóciosOperadorasRedes

Os bancos europeus que prestam consultoria à Telecom Italia sobre a oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), planejada pela empresa, para sua unidade de torres INWIT, avaliaram a fatia de 40% que a companhia planeja ofertar em até € 970 milhões, segundo informações das agências internacionais. Uma fonte ligada ao assunto

Os bancos europeus que prestam consultoria à Telecom Italia sobre a oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), planejada pela empresa, para sua unidade de torres INWIT, avaliaram a fatia de 40% que a companhia planeja ofertar em até € 970 milhões, segundo informações das agências internacionais.

telecom1-680x365

Uma fonte ligada ao assunto indicou que a INWIT opera 11.500 plantas com equipamentos de transmissão de rádio para redes telefônicas móveis da própria Telecom Italia e também de outras operadoras, negociação bastante comum no mercado de telefonia móvel. O valor no qual a divisão foi avaliada, corresponde entre 15 e 18 vezes o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização da unidade em 2014, que alcançou um Ebitda de € 135 milhões.

A avaliação e o planejamento do IPO da divisão, ocorre na mesma semana em que o chairman e presidente do conselho da operadora italiana, Giuseppe Recchi, verbalizou o “desejo de continuar no Brasil”. O executivo saudou a entrada de novos investidores estrangeiros entre os acionistas do grupo italiano de telefonia e ressaltou que “a companhia pretende não só continuar no Brasil, mas exercer um papel de liderança no País”.

A fala ocorreu durante uma reunião com acionistas nesta semana para aprovar mudanças nas regras de nomeações ao Conselho. As mudanças propostas podem dar a investidores minoritários uma representação maior no quadro de conselheiros e surgem pouco antes da esperada elevação do grupo francês de mídia Vivendi, à posição de maior investidor no grupo italiano.

“Rejeitamos a lógica de que investimentos estrangeiros na Telecom Italia sejam perigosos”, disse Giuseppe Recchi, que completou, “independente de quem esteja trazendo capital das portas para dentro de Telecom Italia, entendemos que a entrada do capital e do conhecimento no grupo, contribui para tornar nossa companhia mais forte, independentemente se o investidor for italiano ou estrangeiro”, finalizou.

Sob as definições das novas regras, os diretores com a maioria dos votos receberão dois terços dos assentos no quadro do conselho, em comparação aos quatro quintos dados anteriormente. O mandato do conselho atual termina em 2017. A Telecom Italia controla, entre outras companhias, a TIM Participações no Brasil.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor