Inovação deve ser estratégia de desenvolvimento da indústria no País

EmpresasNegócios

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou manifesto em que classifica a inovação tecnologia por meio de sistemas, máquinas e redes, como a melhor saída para que os diversos setores da indústria do País se recupere, em meio à austeridade econômica pela qual o Brasil atravessa. A mensagem foi transmitida pelo presidente da entidade, Robson

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou manifesto em que classifica a inovação tecnologia por meio de sistemas, máquinas e redes, como a melhor saída para que os diversos setores da indústria do País se recupere, em meio à austeridade econômica pela qual o Brasil atravessa.

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria 3

A mensagem foi transmitida pelo presidente da entidade, Robson Braga de Andrade, durante painel 6° Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria realizado em parceria da confederação e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

Para o presidente do Sebrae, Luiz Barretto, a importância do trabalho conjunto de empresas de todos os portes para que a inovação seja fomentada é importante, já que das mais de 2 milhões de empresas que a entidade atende ao ano, mais de 164 mil são indústrias com perfil de produção de produtos e serviços sofisticadas e de alto valor agregado, o que por sua vez, demanda um suporte tecnológico gigante.

Co-apresentado por um dos fundadores da Natura, Pedro Passos, o manifesto reforça que o desenvolvimento econômico e social do país depende intrinsecamente da inovação. Passos trouxe dados sobre o dispêndio privado em pesquisa e desenvolvimento em relação ao Produto Interno Bruto (PIB). Em 2012, último percentual disponível, o índice foi de 0,56%. Em países que são referência em inovação, o aporte chega a três vezes mais.

“O novo cenário econômico exige a adoção de uma postura diferenciada. Passa a ser imprescindível o desenvolvimento de uma política industrial com foco no longo prazo. Para obtermos sucesso e prosperidade, hoje e no futuro, é fundamental que os setores privado e público, juntamente com a academia, trabalhem de maneira articulada”, disse Pedro Passos.

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Aldo Rebelo, reforçou a necessidade de parceria entre os setores público e privado por resultado melhores. “Em inovação, há apenas um denominador comum, que é o interesse nacional. Sem uma indústria competitiva não há economia competitiva. A economia industrial é o um dos caminhos para a recuperação da economia. Por isso, é preciso unir esforços para quando o ajuste (fiscal) passar, nós consigamos voltar a crescer”, disse o ministro.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor