França ganha primeiro cartão com código de segurança impresso em e-paper

SegurançaSoftware

Os franceses Banque Populaire e Caisse d’Epargne, em associação com a Natixis Payment Solutions e a Oberthur Technologies (OT), empresa mundial em soluções de segurança digital, anunciaram o projeto piloto do primeiro cartão de pagamento que utiliza a tecnologia Motion Code, que atualiza constantemente o código de segurança de três dígitos no verso do cartão.

Os franceses Banque Populaire e Caisse d’Epargne, em associação com a Natixis Payment Solutions e a Oberthur Technologies (OT), empresa mundial em soluções de segurança digital, anunciaram o projeto piloto do primeiro cartão de pagamento que utiliza a tecnologia Motion Code, que atualiza constantemente o código de segurança de três dígitos no verso do cartão.

OT_Motion_Code

Para o correntista, a nova geração de cartões de pagamento funciona exatamente do mesmo modo. A única diferença visível é a micro tela com os três dígitos no verso do cartão, que muda automaticamente.

“O Banque Populaire e a Caisse d’Épargne e suas redes serão os primeiros bancos no mundo a dar aos seus clientes a oportunidade de experimentar esta nova tecnologia de cartão de pagamento e tornar suas compras online ainda mais seguras. Esta iniciativa é parte integrante do compromisso do Grupo BPCE quanto a soluções em pagamentos e sua determinação em intensificar a guerra contra fraude”, declarou em comunicado Nicolas Chatillon, chefe de desenvolvimento de pagamentos, marketing e estudos estratégicos de serviços bancários comerciais no Grupo BPCE.

Devido esta tecnologia permitir o código de segurança do cartão ser alterado de modo regular e automático, o sistema evita que fraudadores roubem o código visualmente ou online. O código verificador de três dígitos é usado na maioria das vezes para evitar o uso ilegal do número do cartão.

Para revendedores eletrônicos, a solução não requer mudanças em seu sistema de aceitação de pagamento online. A autenticação acontece em tempo real, nos servidores do banco, da mesma forma que acontece com os cartões sem a tecnologia.

A diferença é que o cartão com e-paper roda uma chave sincronizada com o banco, similar aos tokens digitais, que dificulta bastante a ação fraudulenta remota.

Esse é o primeiro teste em condições reais da tecnologia. Em um primeiro momento, mil clientes terão acesso aos cartões até setembro.

Como utiliza e-paper, o consumo de energia da minúscula tela é mínimo. Com atualização do código a cada hora, o sistema tem uma autonomia de bateria gigantesca: 3 anos, o tempo que normalmente leva para expirar um cartão de crédito.

Ainda não há previsão de aplicação da tecnologia em outros territórios, mas é certo que em alguns anos esse mecanismo de segurança se tornará padrão.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor