Bouygues Group rejeita proposta da Altice para aquisição

EmpresasNegóciosOperadorasRedes

A rejeição de Martin Bouygues, CEO e controlador da Bouygues Telecom, à oferta feita pelo magnata Patrick Drahi, da Altice, para arrematar o negócio de telecomunicações do Bouygues Group, pode representar uma paralisação da consolidação pela qual o setor passa na Europa e especialmente na França.

O presidente-executivo da Bouygues, que também fundou a Bouygues Telecom, afirmou que a unidade pode prosperar sozinha e que uma venda ameaçaria empregos e enfrentaria obstáculos de entidades reguladoras no país.

O descarte da oferta acabou, aparentemente, com as esperanças da redução do número de operadoras de redes móveis na França de quatro para três e também do fim de uma guerra de preços, que já dura três anos e tem atingido os lucros de todos os players. As ações de todas as teles caíram na quarta e na quinta-feira, por conta da oficialização da recusa.

As ações da Bouygues já recuaram mais de 9% esta semana. Os papéis da Altice tiveram queda de 4,85 % em um período de segunda-feira até ontem, queda que chegou a 9,66% na operadora de sua propriedade, a Numericable-SFR. Já as ações da Iliad desvalorizaram cerca de 8,3% e a Orange, a maior tele do País, perdeu 3,24% no mesmo período. Todas as companhias negociam seu capital com investidores da bolsa francesa, a Euronext Paris.

A Altice já tinha cerca de € 10 bilhões preparados exclusivamente para a operação. O grupo francês, dono da PT Portugal, estaria há vários meses em conversas para a apresentação de uma proposta final e consequente aquisição da Bouygues.

Fatores como a crise pela qual passa a Grécia, a indecisão sobre a permanência do país na Zona do Euro e os receios de que uma súbita flutuação pode afetar a moeda do velho continente, foram decisivos para a rejeição à proposta. O argumento mais debatido pelo conselho da Bouygues Telecom, era de que a indecisão no bloco econômico poderiam aumentar os riscos e os custos de um financiamento para a operação.

A resposta de Martin Bouygues ao magnata Patrick Drahi e sua Altice foi apoiada pelo conselho de administração do Bouygues Group, o que pode ter evitado uma queda ainda maior nos papéis dos dois conglomerados, já que esse apoio foi visto com bons olhos pelos investidores e acionistas franceses.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor