Panasonic realoca centenas de trabalhadores para giga fábrica da Tesla

EmpresasHOMENegócios

A japonesa Panasonic, como parte de uma profunda aliança com a norte-americana Tesla, enviará centenas de funcionários para a gigantesca fábrica de baterias de Elon Musk em Nevada, nos Estados Unidos. É um movimento de suma importância, especialmente levando-se em conta o quão conservadores são os grupos empresariais tradicionais japoneses, dos quais a Panasonic é

A japonesa Panasonic, como parte de uma profunda aliança com a norte-americana Tesla, enviará centenas de funcionários para a gigantesca fábrica de baterias de Elon Musk em Nevada, nos Estados Unidos.

tesla panasonic

É um movimento de suma importância, especialmente levando-se em conta o quão conservadores são os grupos empresariais tradicionais japoneses, dos quais a Panasonic é uma sólida representante. O objetivo é que, a partir do próximo ano, a nova geração de baterias de íons de lítio produzida na fábrica chegue ao mercado.

A parceria é benéfica para ambas as partes. A Panasonic segue em um profundo processo de reestruturação, com cortes profundos para recuperar a eficiência e estancar perdas financeiras.  Nesse processo, a empresa se viu obrigada a abrir mão do desenvolvimento de TVs de plasma – no qual era líder mundial – por causa da pressão da concorrência coreana.

Hoje, em busca de um posicionamento mais rentável, a companhia tem reforçado campos em que pesquisa a muito tempo, como o de distribuição inteligente e economia de energia para residências e indústrias e componentes automotivos. A tecnologia de baterias da empresa é reconhecida como uma das melhores do mercado, e ganhou investimento de R$ 500 milhões justamente pelo potencial que o mercado automotivo representa.

Para a Tesla, o conhecimento da Panasonic vale ouro. Além de começar a operação em sua fábrica monstruosa de baterias com força máxima, a empresa norte-americana abrevia a dolorosa curva de aprendizado no desenvolvimento avançado de baterias. A tecnologia da Tesla é testada e aprovada nas ruas, em carros, mas para encarar outras frentes, como Elon Musk ambiciona, precisa de músculos extras.

“Precisaremos de centenas de pessoas no começo”, disse a jornalistas Yoshio Ito, chefe da divisão de sistemas automotivos e industriais da Panasonic, em comunicado. “Devemos ver isso começar por volta do último trimestre de 2015.”

Assinado em julho passado, o acordo com a Tesla representa uma nova possibilidade da Panasonic recuperar sua rentabilidade e finalmente capitalizar nas décadas de pesquisa avançada que vem conduzindo. Nos termos do acordo, a Tesla cuidará da estrutura fabril, enquanto a Panasonic será responsável pelas células de energia, equipamentos especializados de produção, maquinário e transferência de conhecimento para a força de trabalho local.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor