Sony aponta crescimento de 450% no faturamento com sensores de imagem

MobilidadeNegócios

A fabricante japonesa divulgou que as receitas da divisão de componentes para câmeras de smartphones cresceu mais de 450% no ano fiscal de 2014, encerrado no final de março e divulgado esta semana. Além da alta, a empresa afirmou que deseja angariar novos clientes para este segmento, tarefa parcialmente concluída, já que suas peças devem

A fabricante japonesa divulgou que as receitas da divisão de componentes para câmeras de smartphones cresceu mais de 450% no ano fiscal de 2014, encerrado no final de março e divulgado esta semana.

SONY DSC

Além da alta, a empresa afirmou que deseja angariar novos clientes para este segmento, tarefa parcialmente concluída, já que suas peças devem equipar as câmeras da nova geração do iPhone, no segundo semestre.

Os sensores de imagem têm emergido como um dos nichos mais fortes entre todos os que empresa atua à frente da produção da linha de TVs, PlayStations e dos aparelhos celulares. Enquanto a companhia fica atrás de players globais como Apple, LG, Samsung e Lenovo no mercado de smartphones, esses próprios rivais utilizam sensores japoneses na manufatura das câmeras de dispositivos móveis.

O chefe de negócios voltados aos dispositivos móveis da Sony, Tomoyuki Suzuki, indica que a elevação no período deve tirar as receitas da divisão dos US$ 804 milhões (100 bilhões de ienes) faturados em 2013, para quase US$ 4,4 bilhões (550 bilhões de ienes) no ano encerrado em março.

Suzuki justifica que mesmo com todos os problemas enfrentados nas outras divisões do grupo, o segmento que ele comanda manterá um ritmo diferente, com alta de demanda forte, para a unidade que já é considerada crucial na recuperação financeira do conglomerado.

O executivo foi promovido a vice presidente executivo em abril, refletindo o reconhecimento do papel que os sensores vêm desempenhando. “Estamos vendo uma ótima oportunidade neste momento e vamos aproveitar isso”, afirmou ele em entrevista à agência Reuters.

Mesmo sem a relação de nomes dos clientes atendidos pela Sony, é sabido que a empresa atravessa um período bastante próspero puxado pelo alto consumo da Apple, sua maior compradora de sensores, seguida pela Xiaomi, número um do mercado chinês e que utiliza o componente em alguns modelos topo de linha.

A contribuição também é responsabilidade da Samsung, que voltou a utilizar os sensores japoneses na fabricação de seu produto premium, os galaxy S6 e S6 Edge, após uma experiência classificada como malsucedida, quando ela decidiu implementar os próprios sensores na geração anterior, S5, da linha Galaxy.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor