Gartner prevê crescimento mundial de 59% no tráfego de dados móveis

GestãoGestão de RedesOperadorasRedesSegurança

A consultoria global divulgou relatório no qual estima que o tráfego global de dados móveis deverá chegar a 52 milhões de Terabytes (TB) em 2015, o que representa um aumento de 59% em comparação com o tráfego do ano passado.

O crescimento neste nicho continuará até 2018, quando os níveis poderão atingir 173 milhões de Terabytes. Essas e outras informações serão apresentadas durante a Conferência Gartner Segurança e Gestão de Riscos, que acontece nos dias 10 e 11 de agosto, no em São Paulo.

Analistas do Gartner aconselham as prestadoras de serviços de comunicação (Communication Service Providers), ou as tradicionais operadoras de telefonia, a reconsiderarem seus limites de dados móveis para satisfazer as necessidades dos clientes e obter participação de mercado.

“O tráfego está aumentando em todo o mundo, e mais que triplicará até 2018. Conexões novas e rápidas de dados móveis (3G e 4G) crescerão mais lentamente – de 3,8 bilhões em 2015 a 5,1 bilhões em 2018”, explica a diretora de pesquisas do Gartner, Jessica Ekholm.

No terceiro trimestre de 2014, o Gartner conduziu uma pesquisa sobre aplicativos móveis e perguntou a mil usuários de smartphones nos Estados Unidos e mais mil na Alemanha, sobre seus hábitos de uso de aplicativos móveis.

“Os dois países apresentam mercados maduros e distintos, a partir dos quais podemos realizar boas comparações sobre estratégias de CSPs e seu impacto sobre o comportamento geral dos consumidores”, lembra Jessica.

Quando questionados se esperam até chegar a uma área com Wi-Fi para baixar um aplicativo, ou assistir conteúdos de vídeo por transmissão, 54% dos alemães responderam que sim, contra somente 36% dos entrevistados norte-americanos. Isso acontece porque 43% dos usuários dos Estados Unidos não se sentem confortáveis com o tamanho da franquia de seus planos de dados, enquanto apenas 20% dos usuários alemães relatam a mesma restrição.

Para o Gartner, as operadoras precisam criar e vender planos de dados com limites mais elevados para aumentar sua participação no mercado em expansão. “Com o percentual do uso de vídeo subindo dos 50% atuais para 60% do uso total de dados até 2018, devemos esperar que as CSPs ofereçam a melhor experiência de vídeo possível aos seus clientes”, afirma a diretora de pesquisas.

As informações sobre o Conferência Gartner Segurança e Gestão de Riscos e os assuntos que serão discutidos durante os dois dias de eventos, podem ser acessados pelo hotsite oficial do encontro.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor