Justiça dos EUA decide que teles precisam parar ligações feitas por robôs

GestãoGestão de RedesLegislaçãoOperadorasRedes

A procuradoria geral de 44 Estados dos EUA e também da capital, Washington D.C., solicitaram nesta semana que as maiores empresas de telefonia do país implementem tecnologias que permitam aos consumidores bloquear automaticamente ligações feitas por centrais automáticas de telemarketing.

Em uma carta aos presidentes de AT&T, CenturyLink, Sprint Mobile, T-Mobile USA e Verizon Communications, as procuradorias gerais informaram que uma decisão da Comissão Federal de Comunicações (FCC, na sigla em inglês) deixa claro que não há barreiras legais para oferecer a tecnologia.

A comissão deu o chamado “sinal verde” para as companhias oferecerem serviços de “não perturbe” para os consumidores, incluindo tecnologia para bloquear ligações automáticas indesejadas.

Segundo apuração das agências de notícias Reuters e Associated Press, esta decisão “deve remover quaisquer dúvidas sobre sua autoridade legal para empoderar os consumidores fornecendo tecnologia para bloquear ligações e parar com as ligações automáticas, mensagens de textos falsas e ligações de telemarketing indesejadas”, informou um documento assinado por procuradores gerais de diversos estados, incluindo o de Indiana, Greg Zoeller e do Missouri, Chris Koster.

A USTelecom, grupo de negociações que representa as companhias telefônicas, respondeu por meio de seu porta-voz, Jon Banks, que o grupo está “totalmente de acordo” com o requerimento e continuará trabalhando próximo ao FCC e os Estados para “colocar os maus atores fora deste negócio”.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor