Mercado de switches tem queda de 6,8% no primeiro tri de 2015

CloudData CenterNegóciosRedes

A IDC Brasil divulgou os números do mercado de switches referentes ao primeiro trimestre de 2015. Entre janeiro e março, cerca de 1,986 milhão de portas de conexão de redes foram vendidas ante 2,288 milhões comercializados no mesmo período do ano passado. Em relação à receita, houve queda de 6,8% sendo que, na comparação com o último trimestre de 2014, o decréscimo é ainda maior: 15%.

De acordo com João Paulo Bruder, gerente de pesquisas da IDC Brasil, o desempenho deve-se ao baixo desempenho da economia e à volatilidade do dólar. “A moeda americana variou cerca de 30% nos três primeiros meses do ano, impactando diretamente o cronograma de investimentos dos empresários. Mas, apesar da queda, o Brasil ainda é o maior mercado de switches da América Latina, região que cresceu 0,5% neste primeiro trimestre”, afirma.

Como apurou o estudo da IDC Brasil, as vendas de switches de 10Gb e 40Gb, as duas categorias mais rápidas, já representam quase 50% do mercado no Brasil. “Atribuo esse movimento ao uso crescente de switches em data centers”, afirma o gerente da IDC. Além disso, 26% dos switches vendidos foram de layer 3 (80% da receita do mercado) – no mesmo período do ano passado essa categoria correspondia a 23% do mercado.

O estudo traz também o volume comercializado por tipo de switch. No primeiro trimestre de 2014, os fixos gerenciáveis representavam 65% do mercado. Este ano, o índice passou para 74%. Já os switches fixos não gerenciáveis e os modulares caíram de 7% para 4% e de 28% para 23%, respectivamente. Segundo Bruder, por conta do período econômico conturbado, existe uma tendência de se usar switches fixos com gerenciamento, que são mais baratos, ao invés do modular, que se caracteriza por um maior investimento para sua implementação.

Apesar do primeiro trimestre considerado fraco, a expectativa da IDC Brasil é que o mercado cresça 5% em volume de vendas na comparação com 2014, passando de US$ 333 milhões para US$ 349 milhões em receita.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor