Microsoft poderá começar a produzir smartphones na Índia

EmpresasMobilidadeNegóciosSmartphones

O negócio de smartphones da Microsoft pretende iniciar uma incursão no gigante mercado da Índia. Através de um acordo com a fabricante Foxconn, a empresa começará a produzir dispositivos diretamente no país asiático, evitando assim taxas de importação e reforçando a sua presença num segmento em franco crescimento.

A aliança ainda não foi publicamente confirmada, mas o jornal Times of India (TOI) ressalta que não falta muito para que os celulares da Microsoft Devices passem a sair de fábricas indianas, produzidos em uma planta da taiwanesa Foxconn em Sri City, no estado de Andhra Pradesh, localizado no sudeste do país.

De acordo com diversas fontes ouvidas pelo periódico, apontam que a Foxconn pretende introduzir no mercado local dois modelos dos smartphones da Microsoft. No entanto, não se sabe ainda com certeza que dispositivos serão os primeiros a ser produzidos localmente. A Microsoft alcançava a Índia através das suas centrais de produção na China, no Vietnã e na Finlândia.

Depois da Nokia se ter retirado seu aparelhos do mercado, após a passagem de toda a operação à Microsoft, a Foxconn teve que reorganizar a sua estratégia, encerrando uma fábrica dedicada à marca na cidade indiana de Sriperumbudur, no Centro-Leste do país.

O chairman da Foxconn, Terry Gou, visitou a Índia este mês e, segundo o Times Of Índia, declarou que a empresa deve investir cerca de US$ 2 bilhões na construção de 10 a 12 novas centrais de produção nos estados indianos de Andhra, Maharashtra e Gujarate.

A outro jornal do país, o The Economic Times, do mesmo grupo do TOI, um emissário da Foxconn India ressaltou que inúmeros players do universo dos smartphones já mostraram o seu interesse em alcançar a nova fábrica, que deverá chamar-se Rising Star (“Estrela Nascente”). A Microsoft ainda não confirmou nenhum detalhe do negócio.

Várias são já as empresas que se interessam por produzir seus dispositivos em solo indiano, evitando, assim, despesas relacionadas com exportação e importação e entraves regulatórios para comércio livre naquele país.

Esta semana, a Huawei recebeu luz verde, por parte do governo indiano, para operar no país, que sustenta atualmente um mercado de dispositivos móveis com forte crescimento. Marcas chinesas procuram inciiar uma inserção nesse mercado para contrabalançar as perdas que sofridas nos mercado domésticos ocidentais, que se inclinam para a estagnação em poucos anos.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor