Fatos e Mitos do Windows 10

EscritórioSistemas OperacionaisSoftware

No dia da apresentação do Windows 10 à imprensa, e um dia antes do lançamento oficial, muitos são ainda os rumores que circundam a nova geração do popular sistema operacional da Microsoft. O editor sênior do website InfoWorld, Woody Leonhard, tem acompanhado de perto a evolução do programa e apresenta-nos, agora, alguns dos factos e mitos sobre o Windows 10.

Antes de entrarmos nos “Fatos e Mitos” do Windows 10, comecemos por um cenário altamente provável, embora não confirmado. Especula-se que os membros do grupo Windows Insiders – cerca de cinco mil usuários que têm participado nos testes do Windows 10 e dado o seu feedback à Microsoft – estejam já na posse daquilo que se poderá considerar a última versão do novo sistema operacional.

Embora isto não possa, pelo menos por agora, ser verificado, Leonhard diz que todas as evidências apontam para esse cenário.

Fato: O suporte ao Windows 10 vai se estender por 10 anos, assim como os antecessores Vista, 7 e 8. De acordo com Leonhard, o suporte técnico ao novo sistema termina a 13 de outubro de 2020, embora deva ser disponibilizada assistência até 14 de outubro de 2025.

Mito: O editor do InfoWorld disse que, até ao momento, não houve qualquer declaração por parte da Microsoft que dê a entender que o período de suporte do Windows 10 comece a partir do momento que o compramos ou instalamos.

Segundo consta, o ciclo de vida e os pré-requisitos para as atualizações do Windows 10 são idênticos aos dos sistemas operacionais anteriores. Conta Leonhard que o novo SO pede para os usuários instalarem atualizações e patches, sequencialmente e em alturas definidas.

Fato: O Windows 10 pode ser agora instalado (não de forma legal) e utilizá-lo sem que seja necessária uma chave de produto. Não se sabe ao certo até quando o sistema operacional estará disponível nestes moldes, mas o editor acredita que, eventualmente, passe a ser possível utilizar uma chave para o sistema ilegítimo e continuar a utilizá-lo.

Mito: Não será possível passar, gratuitamente, das versões Home Basic ou Home Premium do Windows 7, do Windows 8.1 ou do Windows 8.1 com o Bing para o Windows 10 Pro. Para conseguir esta versão do novo sistema operacional é preciso primeiro instalar os Windows 10 Home e só depois, mediante pagamento, poderá passar-se para o Windows 10 Pro.

Fato: O upgrade para o Windows 10 dispensa a utilização de uma chave de produto se for feito a partir de uma cópia legal e genuína do Windows 7 com a atualização SP1 ou do Windows 8.1 Update.

Mito: Não é preciso ter uma conta Microsoft para instalar, utilizar ou administrar o Windows 10. Qualquer outra conta é suficiente para utilizar normalmente o Windows 10. No entanto, para usar ferramentas como a Cortana ou o Egde (o sucessor do Internet Explorer), já é preciso uma conta Microsoft.

Mito: O Windows Media Player não foi excluído do Windows 10, contrariamente a alguns rumores. Foi o Windows Media Center que foi deixado para trás. O WMP continuará a fazer parte do sistema operacional da Microsoft, embora o Leonhard acredite que escassos serão os seus usuários, visto que existem opções gratuitas prontas a usar como o VLC.

Fato: É bastante arriscado instalar o Windows 10 num computador logo no dia 29 de julho. O editor acredita que só depois de o sistema operacional ter sido exaustivamente escrutinado e de todas as questões sobre ele terem sido respondidas é que deverá ser seguro instalar o Windows 10.

Mito: Desengane-se quem pensar que o upgrade do Windows 7 e do Windows 8 para o 10 será direto. É preciso ter o Windows 7 SP1 ou o Windows 8.1 Update 1 para que a atualização seja efetuada.

Com a chegada do Windows 10 a partir de amanhã muitos destes fatos e mitos passarão a ser amplamente conhecidos e muitas dúvidas serão, certamente, esclarecidas. Mas, como em tudo na vida, existirão coisas boas e coisas más, pelo que o Windows 10 deverá ser adorado por uns e olhado com ceticismo por outros.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor