Sony pretende levantar US$ 4 bilhões para impulsionar divisão de sensores

EmpresasGestãoMobilidadeNegóciosResultadosSmartphones

A fabricante japonesa de eletrônicos informou que planeja angariar quase US$ 4 bilhões com a emissão de novas ações e bônus para investir em sensores de imagem.

A iniciativa faz parte da estratégia da companhia, que pretende se posicionar como uma fornecedora de componentes, colocando divisões de produtos para consumidores, como a linha de TVs Bravia, que levou a empresa a prejuízos no ano fiscal de 2014.

Na primeira emissão de novas ações da Sony em 26 anos, a empresa informou que estima levantar 321 bilhões de ienes, algo em torno de US$ 2,6 bilhões. o movimento deve ser iniciado com uma oferta pública de ações.

O argumento para atrair novos investidores, será o de que o valor de mercado da companhia pode dobrar até dezembro de 2016. A japonesa pretende captar outros 119 bilhões de ienes, ou US$ 960 milhões, com bônus conversíveis para financiar o aumento da capacidade de produção de sensores em suas plantas avançadas no Japão.

Valendo perto de um décimo do valor de mercado atual da companhia, a emissão de ações dá o sinal mais claro até agora que o presidente-executivo da Sony, Kazuo Hirai, prioriza o negócio de sensores para ancorar a recuperação da Sony.

A empresa é assolada há bastante tempo por prejuízos em produtos de mercado como a divisão de smartphones, impactados negativamente pela concorrência de rivais mais baratas da Ásia e gigantes da indústria como a norte-americana Apple, a sul-coreana Samsung e a novata chinesa Xiaomi.

Os sensores de imagem, um componente de alta tecnologia em câmeras digitais e smartphones, despontaram como uma das linhas mais fortes da Sony junto à unidade de videogames PlayStation, ajudando a companhia a se recuperar da longa queda em vendas de TVs e smartphones.

Ainda assim, a Sony está apenas começando a sair do declínio, contabilizando um prejuízo líquido de 126 bilhões de ienes, aproximadamente US$ 1,02 bilhão no último ano fiscal, embora espere lucro de 140 bilhões de ienes, ou US$ 1,14 bilhão, para o ano fiscal de 2015.


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor