AT&T pode ter estado envolvida na espionagem das comunicações da ONU

EspionagemRegulação

A ONU apelou a seus Estado-membros para respeitaram seu direito à privacidade, depois de terem sido divulgados, pelo delator Edward Snowden, documentos que acusam a operadora norte-americana AT&T de colaborar com a NSA em operações de espionagem das comunicações da organização.

Os documentos incriminatórios, que datam de 2003 a 2013, apontam que a AT&T, um dos maiores nomes das telecomunicações dos Estados Unidos, prestou apoio técnico à Agência de Segurança Nacional, para monitorizar as comunicações da Organização das Nações Unidas.

De acordo com a porta-voz da ONU Vannina Maestracci, citada pela Reuters, a organização tem implementadas medidas de segurança que visam proteger suas infraestruturas informáticas de invasões ilegítimas e que está agora sendo ponderada a resposta mais adequada à situação.

No entanto, segundo a responsável, os EUA garantiram que não estiveram, nem estão, envolvidos em quaisquer operações de espionagem das comunicações da ONU. Mas o historial duvidoso, e repetitivo, da NSA não abona a favor dessas garantias.

Segundo a agência noticiosa britânica, a ONU afirmou, há cerca de dois anos, que Washington se teria comprometido a não monitorizar as comunicações da organização, depois de terem sido enunciadas acusações de que a NSA teria ganho acesso ao sistema de videoconferências da ONU.

As atividades e comunicações da ONU, diz Maestracci, estão protegidas pela legislação internacional e a organização espera que os Estados respeitem as normas estabelecidas ao abrigo da Convenção de Viena de 1961, que estipula a inviolabilidade da organização.

* Filipe Pimentel é jornalista da B!T em Portugal


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor