CEO da proprietária do Ashley Madison entrega a demissão [atualizado]

EmpresasNegóciosSegurança

O diretor-geral da empresa-mãe do website de infidelidade Ashley Madison abandonou o cargo, depois de um ciberataque ter resultado na exposição massiva de dados dos utilizadores de um serviço em que o anonimato é o sucesso de negócio.

A canadiana Avid Life Media, que gerencia as operações do website prestador de “aventuras extraconjugais”, anunciou, na passada sexta-feira, que o CEO Noel Biderman deixara a direção executiva da companhia, acrescentando que a atual equipa de gerentes seniores assumirá as funções, até ser encontrado um substituto.

De acordo com o Washington Post, Biderman não comentou, pelo menos de imediato, a sua saída, que a Avid Life Media caracterizou como sendo fruto de um consenso entre ambas as partes.

A queda vertiginosa do Ashley Madison começou em julho, quando o grupo Impact Team lançou um ciberataque contra as bases de dados do website e roubou milhões de dados de seus clientes, que, dada a natureza do negócio em causa, prezam muito sua privacidade e anonimato. Entre os dados roubados estavam emails, transações bancárias e informações pessoais dos usuários.

Depois da fuga de dados, o Impact Team fez um ultimato: ou o Aslhey Madison fechava as portas, ou os dados de seus usuários seriam vazados na Internet. A Avid Life Media não acedeu ao pedido do grupo cibercriminoso e os dados foram disseminados pela web.

O jornal norte-americano conta que a empresa-mãe oferecia uma recompensa de US$ 500 mil a quem prestasse informações acerca do paradeiro e identidade dos criminosos.

A Avid Life diz que está colaborando com as autoridades de investigação policial para trazer os hackers perante a justiça. No entanto, a punição dos perpetradores não deverá ser suficiente para atuar como torniquete e fazer com que o Ashley Madison volte a receber a confiança dos clientes.

O investigador em cibersegurança Brian Krebs, que tem acompanhado ativamente o ataque ao Ashley Madison, afirma, de acordo com o The Guardian, que um usuário do Twitter chamado Thadeus Zu pode estar associado ao Impact Team. Krebs baseia sua suspeita no facto de Thadeus Zu, que diz poder ser um nome utilizado por vários criminosos do grupo, ter sido o primeiro a publicar uma hiperligação que dava acesso às informações roubadas.

Ao contrário do que se poderia esperar, a base de usuários do Ashley Madison continua crescendo. Estas informações, algo surpreendentes, são avançadas pela Avid Life Media que afirma, à Reuters, que, nas últimas semanas, registrou centenas de milhares de novas inscrições, mesmo após o incidente.

* Filipe Pimentel é jornalista da B!T em Portugal


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor