Ciberataques estão se virando cada vez mais para o setor público

CyberwarEspionagemRegulaçãoSegurança

Um relatório da Trend Micro aponta que o segundo trimestre de 2015 ficou pautado pelo aumento da sofisticação e frequência dos ciberataques aos serviços públicos e a entidades governamentais.

“Um Aumento Incessante: Novos Hacks Ameaçam as Tecnologias Públicas” é o título da investigação da empresa de cibersegurança que revelou que as ameaças ao setor público são cada vez mais numerosas e que as técnicas utilizadas pelos criminosos crescem em grau de eficiência e sofisticação.

O diretor tecnológico da Trend Micro, Raimund Genes, acredita que estamos hoje perante “criminosos cibernéticos cada vez mais sofisticados e criativos”, como refere em comunicado. Estes membros do mundo obscuro das tecnologias têm investido no aumento de seus portfólios de técnicas de ataque, e isso ficou evidente no período de abril a junho. “O trimestre demonstrou que o dano potencial causado por ataques cibernéticos se estende muito além de um bug de software para hackear aviões, carros inteligentes e estações de televisão”, explica Genes.

Os hackers já não são meros delinquentes que, a partir de suas garagens ou quartos, infetam computadores por puro entretenimento. Os cibercriminosos dos dias de hoje são metódicos, aplicam estratégias de ataque complexas e bastante mais danosas, e suas investidas miram alvos específicos, aumentando a probabilidade de sucesso.

A Trend Micro divulga, em nota, que, durante o segundo trimestre, se viu crescer exponencialmente a frequência de ataques por métodos considerados “tradicionais”, como “um aumento de 50% na integração do exploit kit Angler, um aumento de 67% em geral nas ameaças relacionadas a exploit kits e ransomware CryptoWall, tornando-se altamente especializados, com 79% das infecções ocorrendo nos EUA”.

Os órgãos governamentais estão também tomando consciência da magnitude dos danos causados por essa nova geração de ataques cibernéticos. O serviço norte-americano de coleta de impostos, IRS (Internal Revenue Service), foi hackeado em maio, e as informações pessoais de centenas de milhares de contribuintes foram roubadas. Em julho, o Escritório Americano de Gestão de Pessoal foi vítima de um ataque que resultou na divulgação de dados confidenciais de cerca de 21 milhões de cidadãos dos Estados Unidos. Este incidente, segundo a Trend Micro, “foi a maior até o momento”.

Muitos destes ataques foram, diz a companhia, realizados através de malwares de grandes dimensões, de novos servidores de comando e controle, da exploração de novas vulnerabilidades e de ameaças zero-day (dia zero).

A Trend Micro, depois da pesquisa, concluiu que os Estados Unidos têm grande protagonismo na área da cibersegurança, pois eles são tanto dos maiores alvos como dos maiores emissores de campanhas de ataques cibernéticos.

O relatório indica que entidades como a Interpol, a Europol e o FBI têm apostado fortemente nos seus esforços para combater o crime cibernético e que vem os governos estão imunes a esta crescente praga do mundo virtual.

* Filipe Pimentel é jornalista da B!T em Portugal


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor