Equinix quer um portfólio com 80 parceiros até março de 2016

EmpresasNegócios

A Equinix quer duplicar o número de parceiros até ao final do primeiro trimestre de 2016. A companhia atingiu, em junho, a meta de 40 parceiros que traçou para este ano e agora se vai focar na expansão do seu negócio nas regiões brasileiras do sul e do nordeste.

A companhia estipulara, em dezembro do ano passado, aumentar para 40 o número de parceiros de canal até ao fim de 2015, mas esse objetivo foi alcançado seis meses antes de o prazo-limite vencer. Assim, a Equinix vai procurar investir no incremento da ramificação do seu negócio, procurando ir além do eixo Rio de Janeiro-São Paulo.

O responsável de vendas da companhia no Brasil, Rodrigo Guerrero, diz, em comunicado, que a Equinix tem uma grande capacidade de atrair parceiros, por ter acesso a um vasto número de centros de dados e por “Ter um Programa de Canais bem estruturado” que, em harmonia com suas orientações corporativas globais, “oferece ainda mais segurança aos nossos parceiros”.

Fontes oficiais afirmam que, nesta segunda etapa da sua estratégia de crescimento, a Equinix está procurando parceiros que atuem no mercado do Brasil há, pelo menos, dois anos e que “representem grandes players de software, hardware, serviços de gerenciamento voltados para infraestrutura e tenham clientes do ramo de TI”. Dessa forma, a Equinix pretende que seus serviços ajudem a fortalecer os portfólios das empresas parceiras.

Para além destas características, a Equinix vai dar prioridade a companhias que se situem para lá do eixo Rio-São Paulo, e o foco vai incidir mais fortemente no sul e nordeste brasileiros. “Como temos uma boa representatividade no Sudeste, onde estão nossos data centers, nada mais natural do que seguir em busca de novos mercados para otimizar a capilaridade”, explica o diretor de vendas.

A Equinix quer alcançar, até março de 2016, a meta dos 10 parceiros de canal no sul, sendo que, atualmente, conta com apenas 3. Guerrero afirma que esta região tem uma grande importância no Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil e que acomoda um mercado muito maduro.

Por outro lado, a companhia tem 2 parceiros no nordeste e, até terminar o primeiro trimestre do próximo ano, quer aumentar esse número para 10. O executivo acredita que essa é uma região tecnologicamente fértil e que oferece múltiplas oportunidades de negócio. “Vamos nos aproximar de grupos de usuários de TI e participar de diversos eventos em ambas as regiões, a fim de conhecermos ainda melhor o mercado e os canais mais presentes localmente”, clarifica Guerrero.

* Filipe Pimentel é jornalista da B!T em Portugal


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor