Negócio digital leva empresas a decisões arriscadas, diz Gartner

Inovação

O instituto de pesquisas e consultoria global Gartner afirma que as tecnologias digitais estão evoluindo a um ritmo sem precedentes e terão grande impacto nas empresas. Os líderes de TI precisam estar preparados para o que está além do horizonte. Planejamento é a chave.

Para isso, segundo a consultoria, eles devem adaptar seus pensamentos, métodos e tecnologias para suportar as transformações do futuro digital. “O negócio digital está levando muitas empresas a tomarem decisões mais arriscadas, e que novas oportunidades devem surgir para promover a avaliação de riscos”, afirma o Gartner.

O vice-presidente e analista do Gartner, Jamie Popkin, fornece importantes recomendações para CIOs planejarem corretamente o futuro digital de suas empresas.

Use tecnologias e tendências para base

As máquinas digitais e autônomas são os principais motores do futuro digital. Tudo tem uma conexão ou representação digital, segundo ele. Os objetos físicos agora são participantes ativos das interações empresariais e as máquinas estão começando a operar de modo independente, sem a necessidade de intervenção humana.

“Isso nos leva a um ponto em que quase todo o processo virtual ou do mundo real pode ser ajustado com pouco esforço e tempo de configuração”, diz. O executivo dá um exemplo: “Máquinas digitais e autônomas nos permitem chamar um táxi virtualmente, ou tornam possível que um robô de depósito encontre mercadorias de forma independente, transportando-as para um embalador, e atualize o inventário em tempo real.

No futuro digital, todos os recursos e ativos serão acessíveis ou modificáveis digitalmente. As tecnologias agora oferecem suporte para o surgimento de diferentes tipos de modelos empresariais, que dependem cada vez mais dos recursos utilizados”.

Ele alerta: “Um banco pode existir sem máquinas ou tecnologias digitais. No entanto, uma rede colaborativa de concessão de crédito ou uma rede mundial de intercâmbio digital de moeda não podem existir sem a digitalização”.

Evolua a gestão

Para obter a agilidade e a velocidade necessárias para ser mais responsivo às mudanças nas demandas empresariais, o setor de TI precisa evoluir sua gestão de recursos internos e externos, prossegue Popkin.

Na avaliação do executivo, a TI precisa se tornar bimodal, mantendo a companhia operando, enquanto fornece inovações para ajudá-la a apreciar o que é possível ser feito para atender às demandas empresariais. “Isso exige a renovação da essência do setor de TI.”

Essa será a base para futuras iniciativas de digitalização, segundo ele, especialmente aquelas que exigem mais abertura nos negócios e conexões mais fortes com o mundo externo de clientes e serviços.

Prepare-se para enfrentar riscos

O negócio digital aumenta a complexidade e a dependência da tecnologia, além de ampliar a variedade de ataques e efeitos de interrupção nas redes pessoais, empresariais e de máquinas.

A combinação de grandes quantidades de dados aumenta os riscos associados ao acesso autorizado e não autorizado, diz o analista. A complexidade das dependências da rede existente nos negócios digitais dificulta a avaliação e o gerenciamento de riscos, forçando a necessidade da confiança quando ocorrem problemas de verificação.

Além disso, analisa Popkin, se antes a conformidade regulatória era um padrão aceitável de proteção, agora se instaurou um novo modelo de resiliência.

A maioria das funções de negócios empresariais, incluindo o setor de TI, agora é arquitetada visando a agilidade e a conveniência

Na próxima década, as compensações entre a conveniência e a resiliência serão complexas, investimentos significativos serão necessários em todas as empresas, prevê.

 


Clique para ler a bio do autor  Clique para fechar a bio do autor